sábado, 21 de maio de 2005

As Europas II - Os Povos



De volta à nossa fantasmagórica "pequenez" no contexto europeu, este mapa aqui por cima indica todos os países cuja população é claramente menor que a de Portugal, isto é, todos aqueles em que o número de habitantes não atinge os 10 milhões. Embora não pareça, são 30 estados (58% dos estados da Europa) e é também de notar que alguns destes estados têm no seu interior minorias étnicas que por vezes são suficientemente importantes para pôr em causa a unidade do respectivo povo. Lembro-me, por exemplo, dos 4 ramos etnico-linguísticos que compõem a Suíça, da minoria albanesa na Macedónia, dos lapões do norte dos países escandinavos, dos russos nos países bálticos, etc.



Mas há mais: os estados assinalados neste mapa aqui por cima são os países europeus cuja popuação é sensivelmente idêntica à nossa, ou seja, entre os 10 e os 11 milhões. São 7 ao todo (contando com Portugal, portanto), o que dá 13% da Europa. Vários destes países também são bastante plurais, em especial a Sérvia e Montenegro e a Bélgica, dois países que geram regularmente hipóteses de desmembramento.

Claramente mais populosos que o nosso, portanto, são só... 29% dos países europeus! Menos de um terço. Onde está a tal pequenez?



Se calhar o mapa acima explica. Mostra os grandes povos da Europa, aqueles com mais de 3 vezes o número de habitantes de Portugal, isto é, todos os que são habitados por 30 milhões ou mais de pessoas. Embora na maioria sejam países pouco homogéneos, com vários povos no seu interior (ver-se os casos de Espanha, Reino Unido, Ucránia ou, até certo ponto, mesmo a França ou a Itália), ocupam a maior parte da Europa e quase todos os nossos vizinhos mais próximos pertencem a este grupo de países. Tal como acontece em termos de área, também quando se leva em conta a população Portugal está um pouco isolado entre nações maiores aqui nesta parte da Europa.

Mas a verdade é que o nosso é um país de média dimensão, seja qual for o critério utilizado. Vamos passar a tratá-lo como tal?

Sem comentários:

Enviar um comentário