quinta-feira, 12 de janeiro de 2006

Instantâneos do quotidiano, II

O som mais solitário do mundo: o apito ritmado de uma chamada que ninguém atende.

Sem comentários:

Enviar um comentário