sábado, 17 de janeiro de 2009

Semana

Esta semana foi estranha, por motivos cá meus. Uma estranheza que lançou pseudópodes sobre boa parte do que faço, fazendo com que qualquer actividade parecesse desenrolar-se banhada em melaço. Uma estranheza viscosa, e também um bocadinho sufocante. Bizarro. Mas passa.

Mas sim, o livro atrasou. Não o acabarei até dia 20, como estava nos planos, mas sim a 21 ou 22. Não é grave, não tem qualquer impacto no cumprimento de prazos: significa apenas que talvez não possa tirar uns dias antes de me lançar a revê-lo, conforme tinha planeado. Faltam-me neste momento 48 páginas para o fim. Está já ali.

O pobre do wiki também pouco avançou. Com 15 334 páginas, cresceu só 22 desde a semana passada. Ninguém ajudar também não... hm... ajuda. Mas enfim.

Quanto às leituras da semana, li Biblioteca Nocturna, um conto fantástico de Zoran Zivkovic sobre um homem que chega ligeiramente atrasado à biblioteca, minutos depois da sua hora de fecho, mas ainda encontra a porta aberta. Por sorte, pensa ele. Só que a bilioteca que encontra não é aquela de que estava à espera, mas sim uma biblioteca secreta, cujos livros não são a habitual mistura de literatura, obras de referência e outras coisas de todas as bibliotecas, mas sim os livros da vida de todos os seres humanos do planeta, ainda vivos ou já não. Francamente bom.

Em completo contraste, li também Dentro da Nebulosa, mais um vetusto conto de ficção científica pulp de Edmond Hamilton. Cientificamente disparatado, tal como os anteriores, embora neste o disparate talvez se explique mais pelo imperfeito conhecimento científico da época do que pela ignorância do autor. De modo que o principal problema do conto (antes, uma noveleta) nem é esse: é repetir rigorosamente o mesmo enredo dos dois contos anteriores. De novo há um perigo absoluto, de novo há uma equipagem de heróis (desta feita, multi-específica, com terrestres e extraterrestres) enviada numa nave para investigar e tentar fazer o que for possível, de novo os heróis acabam, após feroz batalha, aprisionados por uma espécie alienígena de intenções malévolas, de novo conseguem fugir milagrosamente, e de novo salvam o universo em duas penadas. O único elemento de originalidade é que agora não era uma estrela mal-comportada a causar perigo, mas sim uma nebulosa "em fogo", que ameaçava incendiar a galáxia. Uma enorme porcaria soporífera.

E ponto final nesta semana. Venha a próxima.

Sem comentários:

Enviar um comentário