sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Lido: Um Azul Para Marte

Um Azul Para Marte é um pequeno conto de algo de semelhante à FC (ainda que a uma FC muito antiquada), de José Saramago, no qual ele descreve uma viagem que teria feito a Marte, viagem essa que é usada de forma alegórica para desenhar em traços gerais uma utopia marciana e contrastá-la com a distopia que se vivia ao tempo na Terra. Não é grande coisa, e só não o acho mesmo mau porque está bem escrito. Haveria formas muito melhores de fazer o que ele fez sem ser preciso, por exemplo, estabelecer que em Marte só havia duas cores, o preto e o branco, e que os marcianos teriam ficado surpreendidos ao saber que na Terra há sete fundamentais e milhares de tonalidades. É possível fazer-se alegorias desencantadas, é possível contrapor-se utopias a distopias, sem que para isso seja preciso recorrer-se ao disparate. Este é bem capaz de ser o pior texto de todo o livro (já não faltam muitos) e é certamente o pior até aqui.

Sem comentários:

Enviar um comentário