sábado, 1 de setembro de 2012

Lido: The Great Game

The Great Game é um conto de Stephen Baxter que se insere no seu universo Xeelee. Para quem não conhece, trata-se de ficção científica militar, centrada num confronto entre uma humanidade futura em expansão pela galáxia e uma civilização alienígena oriunda do núcleo galáctico. Neste conto estamos no halo galáctico, num planeta de uma pequena estrela, tão pequena que nem devia existir, onde há uma colónia humana e onde aparecem os xeelee. Ou talvez não apareçam, não se sabe bem. O que se sabe é que o planeta entrou num inexplicável período de intensa atividade geológica. A guerra ainda não está declarada, e a missão dos marines que protagonizam a história é recuperar um cientista que tinha sido enviado para a colónia a fim de investigar o que se passava, ou pelo menos a informação que ele recolheu.

O conto provocou-me sentimentos contraditórios. Não gostei muito dele, mas achei-o interessante por vários motivos. Não gostei muito porque o achei pouco imaginativo. Exemplos? Há uma largada de infantaria sobre o planeta que parece copiada do Starship Troopers, de Heinlein; boa parte do enredo gira em volta de uma erupção vulcânica que é escarrapachadinha a do Monte Santa Helena, e o resto tem quase todo a ver com uma hierarquia militar ansiosa por entrar em guerra, que vê como inevitável, indiferente à verdade, à procura apenas de um pretexto.

Mas isto achei interessante. Porque é uma reflexão sobre a forma como os Estados Unidos agiram nas vésperas da invasão do Iraque, e um ótimo exemplo de como a FC à primeira vista mais alheada do concreto e do realismo da vida tem na verdade tantas vezes neles a base e é sobre eles que reflete. E o meu lado escritor também viu interesse na amálgama de referências e influências e na forma como elas são transplantadas para uma situação completamente diferente e se interligam para formar um todo com alguma coerência. Não me pareceu particularmente bem sucedida, há que dizê-lo, mas há ali técnica, e isso despertou-me o interesse.

Textos anteriores desta publicação:

Sem comentários:

Enviar um comentário