sábado, 16 de fevereiro de 2013

O resto

E chegados a este ponto, restam 31 palavras no Vocabulário da Mudança que não sofreram alterações devido a nenhum dos casos de que falei antes. A grande maioria destas palavras sofrem alterações devido à supressão da acentuação diferencial em paroxítonas. Trata-se do que aconteceu ao antigo "pára" e derivados ("pára-brisas", por exemplo), ao antigo "pêlo", ao antigo "pêro", etc. Passaram a "para", "para-brisas", "pelo" e "pero", e fizeram-no em todo o espaço lusófono. Isto corresponde a 27 dessas 31 palavras, e em todos os casos menos um trata-se de grafias únicas que mudaram mas se mantiveram grafias únicas. A única exceção é a palavra "pólo", que tinha, no Brasil, dupla grafia, "pólo" e "pôlo". Com a supressão dos acentos essa dupla grafia desaparece e a grafia converge para "polo".

Restam apenas 4 palavras. Em todas havia divergência de grafia nas ortografias pré-AO, e todas a nova ortografia transforma em duplas grafias. "Forma" e "fôrma", "judo" e "judô", "húmido" e "úmido" e "lambugem" e "lambujem". Ou seja, na prática, estas 4 palavras continuam a escrever-se como dantes.

Em resumo, nestas últimas palavras do Vocabulário da Mudança encontram-se:
  • 4 casos de grafias divergentes que passam a duplas.
  • 26 casos de grafia única que se transformam noutras grafias únicas.
  • 1 caso de convergência para uma forma nova.
E para acabar isto resta-me só escrever umas notas finais. Noutro post.

Sem comentários:

Enviar um comentário