quarta-feira, 19 de junho de 2013

Lido: Fastos II

Fastos II é um irreveremte poema de Alberto Pimenta sobre personagens e os filhos que elas fazem ou deixam de fazer ou a relação que com eles têm. Personagens, pelo menos algumas, bem reais; alguns daqueles nomes são conhecidos dos meios intelectuais (e não só) portugueses, e outros que me são desconhecidos podem perfeitamente também pertencer a gente real. Ou não. Não fui verificar. Quanto ao texto, que é o que realmente interessa, é uma obra-prima de ironia como se pode facilmente verificar por versos (?) como
azevedo filho acha que é gosto
so fazer azevedo neto
ou
padre osório, quem havia de d
izer, é um grandecíssimo filhento.
(sim, a divisão dos versos é feita a meio das palavras. Esquisitices)

Bem divertido.

Textos anteriores deste livro:

Sem comentários:

Enviar um comentário