quinta-feira, 13 de junho de 2013

Lido: Imaginação Morta Imagina

Imaginação Morta Imagina é um texto de Samuel Beckett que não sei bem como qualificar. Prosa poética, de certa forma, não parece adequado. Mas o texto é em prosa, e partilha com a poesia a preocupação quase obsessiva com o ritmo da linguagem. Fala, de uma forma talvez impressionista, certamente surreal de... de quê, ao certo? Abstraindo-me das notas do tradutor, mais longas que o próprio texto, a sensação que me dá é este tratar-se de um artifício quase puramente linguístico, sem grande conteúdo exterior ao texto propriamente dito. Talvez porque, sempre que um texto exige doses elevadas de exegese para nele se vislumbrar significados, eu tenda a desconfiar de que esses significados estão mais na cabeça do exegeta do que na do autor, de que este talvez se tenha limitado a pregar aos seus leitores uma grande partida e assiste a um canto, entre gargalhadinhas, à confusão que lançou. Nunca acredito muito nas interpretações que se fazem de textos deste género... nem mesmo nas minhas. E raramente gosto deles, mesmo quando lhes reconheço qualidades. Este texto de Beckett é um bom exemplo. Parece-me fenomenal em termos de tratamento da língua, mas não lhe encontro muito mais motivos de interesse.

Uma palavra adicional apenas para falar da tradução. Basta uma. Fabulosa.

Contos anteriores desta publicação:

Sem comentários:

Enviar um comentário