quarta-feira, 19 de junho de 2013

Lido: O Sentinela e o Mistério da Aldeia dos Pescadores

O Sentinela e o Mistério da Aldeia dos Pescadores (bibliografia) é uma noveleta de Orlando Moreira que leva o leitor à Ria de Aveiro para aí ambientar uma convoluta história que mete nazis, um justiceiro / investigador português, experiências genéticas e um tal Cutulo. E é uma história pulp francamente boa. Não será aquela que mais me agradou até agora entre as do livro onde foi publicada, mas é claramente aquela onde estão melhor conjugadas as características típicas do pulp com uma prosa escorreita e eficaz e um enredo bem concebido. O mais curioso nisso é tratar-se de uma história lovecraftiana (Cutulo é o aportuguesamento de Cthulhu)... e eu que não gosto de Lovecraft?

A história segue o padrão genérico das histórias de mistério. O protagonista, o tal Sentinela a que o título se refere, começa por receber uma carta misteriosa de um velho amigo, e parte para a (julgo que ficcional) Vila do Lameiro a fim de responder a um pedido. Uma vez aí chegado, o mistério só se aprofunda. O final, obviamente, não tem grande surpresa, ou não estivéssemos perante uma história pulp, mas até se chegar lá quase tudo na história resulta bem e há mesmo subtis piscadelas de olho ao leitor atento que só potenciam o todo. Não serão por acaso as aliterações em alguns nomes, por exemplo, a fazer lembrar os Clark Kents e Peter Parkers da BD americana. No fim, temos uma história que é principalmente de mistério, com a forte componente de horror que se esperaria numa noveleta lovecraftiana, mas também uma presença não despicienda da ficção científica; há algo nesta história de Ilha do Dr. Moreau, e também um forte odor a diesel(punk).

E além de tudo isto, a coisa funciona na perfeição como pastiche. Para o género, esta história pareceu-me francamente boa.

Contos anteriores deste livro:

Sem comentários:

Enviar um comentário