quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Baú

Como ainda tinha poucas coisas para fazer e montes de tempo disponível para as fazer, meti-me em mais uma alhada. E nem fui convidado para ela nem nada: fui eu mesmo a ter a ideia e, como é minha mania e, digamos, postura, tratei logo de a pôr em prática.

Não sabem de que estou a falar? A imagem junta serve de pista. O título dado ao post também, embora seja algo redundante face à imagem. O baú é, julgo, facilmente reconhecível (e façam favor dizer que sim senhor, porque fui eu mesmo a desarrincar o boneco assim mais ou menos apressadamente). De dentro, espreita um par de olhos amarelos, vagamente felinos, mas decerto sugestivos (ver o parêntesis mais acima, ó se faz favor). Pronto, eu escrevo a coisa por extenso. É o Baú da FC, um blogue nascido há quatro dias, que se propõe recuperar e redivulgar textos sobre obras da ficção científica e do fantástico lusófonos, produzidos há tempo suficiente para terem sido guardados no baú e deixados lá à espera de um ataque de nostalgia, que é o que geralmente acontece às coisas que vão parar aos baús.

No nosso caso, não se trata bem de nostalgia, mas da ideia de que só conhecendo o que ficou para trás se pode avaliar capazmente o que há agora, de que uma continuidade na produção dentro dos géneros fantásticos em português não se pode alcançar sem uma continuidade também na sua leitura, e se quiserem saber mais pois façam favor de ler a página de introdução à coisa, que está lá tudo bem explicadinho. Espera-se.

Em quatro dias, soma quatro textos. Provavelmente não será sempre tão vivo, porque apesar do blogue ser coletivo, e pretender vir a sê-lo mais (há uns convites à espera de resposta, e haverá mais), somos todos gente ocupada, mas contamos encontrar-vos por lá com alguma regularidade. E se o que tirarmos do baú vos chamar a atenção para as obras de que falarmos, então ouro sobre azul. É mesmo essa a ideia. Contrariar um pouco o frenesi da novidade que tão prevalente se tem tornado nas blogosferas portuguesa e brasileira.

1 comentário: