terça-feira, 6 de maio de 2014

Lido: Duas Irmãs Solteironas

Duas Irmãs Solteironas, que volta mais uma vez a ser primeiro verso e não título, é, segundo a autora explica em nota inclusa, uma "anedota contada na aula pelo [seu] professor de Filosodia" Fulano de Tal. Adília Lopes resolve transformá-la em poema, o que no caso consiste apenas em subdividir as frases em versos. A anedota, essa, debruça-se sobre duas irmãs solteironas, uma gata que com elas vivia, e o que acontece quando uma das manas casou e perdeu os três. É um humorzito de salão, ao mesmo tempo malandreco e bem comportado, e isso é tudo o que me ocorre dizer sobre este texto.

Textos anteriores deste livro:

Sem comentários:

Enviar um comentário