quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Lido: Engenhos Mortíferos

Engenhos Mortíferos (bibliografia) é um romance de ficção científica pós-apocalíptica, de Philip Reeve, que, pese embora uma pegada algo juvenil e o enredo aventuresco que ela traz consigo, é muitíssimo interessante. Diria mesmo que é francamente bom.

Em boa medida porque parte de um magnífico "e se".  E se, num tempo futuro indeterminado, a maioria das pessoas vivesse não já em cidades estáticas, sedentárias, mas em urbes móveis, transformadas em gigantescos veículos que percorrem os continentes em busca de presas, outras cidades e povoamentos mais pequenos, móveis ou não, que, à falta de outras fontes de recursos, servem para as alimentar de matérias-primas para o seu crescimento e sobrevivência?

O cenário é a Europa, mas uma Europa irreconhecível, despovoada, reduzida por séculos desta estranha espécie de "darwinismo municipal" a ermos quase desabitados, marcados pelos gigantescos rastos entrecruzados deixados pelas lagartas das cidades vencedoras, ou pelo menos sobreviventes. Entre estas, uma das maiores e mais poderosas é, claro, Londres, ou não fosse o autor britânico, e é aí que a história arranca.

No entanto, a civilização do "darwinismo municipal" não é a única a sobreviver no planeta. Bárbaros vagueiam também pela Terra, esquivando-se e escondendo-se como ratos frente a esta nova espécie de superdinossauros mecânicos, alimentando-se dos seus restos. E há boatos, transmitidos de boca em boca, no ocidente, com um misto de assombro e descrédito, histórias de ouvir contar que provavelmente serão apenas mitos, de que algures a oriente cidades sedentárias ainda resistem aos novos tempos.

O cenário é soberbo, um cozinhado de diversos temas e influências, entre os quais a abordagem steampunk ganha relevo apesar de este não ser um livro steampunk (a maquinaria tem tudo a ver com o subgénero, mas nada existe aqui do retrofuturismo que lhe está inerente), que Reeve enriquece com uma história de amizades (ou será amores?) improváveis, um velho mistério que envolve antigos crimes e que põem os protagonistas em perigo mortal e numa fuga repleta de peripécias, acasos e azares, e uma velha superarma, encontrada por um explorador dos territórios selvagens, que o dirigente supremo de Londres procura a todo o transe fazer funcionar para... para quê? Isso já será dizer demasiado.

Não encontramos aqui uma ficção científica sofisticada, hipertecnológica, daquela FC que coloca questões relevantes para o presente e o futuro e se debruça profundamente sobre elas. Mas este livro também não tem nada de pulp à moda antiga. É uma história de ficção científica de aventuras, baseada num cenário original e muito bem concebido, com uma ideia base de se lhe tirar o chapéu e que, se faz lembrar alguma coisa, é, pelo cenário, pelo ritmo, pela abordagem ao ato de contar histórias, as antigas histórias extraordinárias de Júlio Verne.

Bom. Realmente bom.

Este livro foi comprado.

Sem comentários:

Enviar um comentário