segunda-feira, 8 de maio de 2017

Lido: The Royal Library (Scrolls of the Bards)

O ucraniano Vladimir Arenev não nos apresenta uma história, mas três, compiladas num grupo a que chamou The Royal Library (Scrolls of the Bards). Lendo-as, pouco parecem ter a ver umas com as outras, no sentido de não parecer haver nelas nenhum sinal de pertencerem realmente a uma série. São todas histórias irónicas, é certo, mas as semelhanças não vão muito além disso... embora vão um pouco como adiante se resumirá.

Fatal Passion, a primeira das três histórias, parece ser um conto de futuro longínquo e pós apocalíptico; ficção científica, portanto. Um daqueles contos protagonizados por quem procura recuperar o conhecimento perdido estudando os velhos artefactos deixados pela nossa civilização, há muito desaparecida. No caso, um livro escrito numa tal língua comum, que começa por ter de decifrar. E consegue, como o conto relata, mas o livro não é propriamente aquilo que esperava.

The Prophet's Word já não tem nada a ver com FC. Trata-se de uma história cómica de fantasia, protagonizada por um deus menor (o Deus da Caligrafia), que seleciona um profeta para escrever o seu Texto Sagrado. Faz a escolha com cuidado, por motivos que o conto explica, e dita meticulosamente o seu Texto, assim mesmo, com maiúscula. O resultado é que... mas não falemos do resultado.

Por fim, The Librarian é outra história de fantasia com um pé solidamente implantado nas velhas lendas europeias. Conta a história de um bibliotecário muito especial que o castelão do rei encontra como aprendiz analfabeto de uma arte bem diferente, mas transforma em bibliotecário porque lhe descobre a capacidade de intuir que livro é o mais adequado para todos os que o procuram... até ao dia em que lhe aparece alguém que não consegue "ler", o que tem uma consequência inesperada.

Duas histórias fortemente irónicas e a terceira menos, escritas em volta dos livros, de géneros diferentes, e todas com interesse ainda que nem sempre muito originais. A primeira é a que o é menos, a segunda a que o é mais. Mas embora tenha algumas dúvidas quanto à bondade da sua reunião, não tenho quanto à qualidade. São boas histórias.

Contos anteriores deste livro:

Sem comentários:

Enviar um comentário