domingo, 30 de janeiro de 2005

Campanha

Cá está ela, bem lançada, mesmo que lhe ponham um pré à frente. A campanha eleitoral chegou, com o seu duche diário de banha da cobra cienificamente estudada para levar indecisos a decidir-se à última da hora pela candidatura xis ou pela candidatura ipsilon. Já se sabem até detalhes dos programas eleitorais ou de governo, documentos que ninguém faz a mínima tenção de cumprir mas que são apresentados com a pompa e circunstância das coisas superlativas.

Estou-me nas tintas. Estou-me, mesmo, supremamente nas tintas.

É que as eleições são como exames, e as campanhas são como aquelas maratonas de marranço destinadas a meter na cabeça à pressão, à martelada, factos inúteis que se esquecem no dia a seguir ao exame.

E eu cá sou defensor da avaliação contínua.

Sem comentários:

Enviar um comentário