segunda-feira, 18 de março de 2019

Lido: Contos Populares Portugueses (#leiturtugas)

Termina aqui aquela que deve ser a mais longa série de posts da história da Lâmpada, iniciada em janeiro de 2016. Andei à volta deste livro durante três anos, lendo um conto agora, outro uns dias depois, outro passada mais uma semana, etc.

(ou talvez não; a da Antologia do Humor Português talvez tenha sido ainda mais longa)

Estes Contos Populares Portugueses são histórias que Adolfo Coelho foi recolhendo pelo país, sobretudo acima do Mondego, e publicou em 1879. Na época, este tipo de recolha estava na moda pela Europa fora e esta de Adolfo Coelho não foi a única que se fez em Portugal. Ainda hoje se fazem, de resto, surgindo de vez em quando uma nova edição de histórias tradicionais, mais ou menos completa, feita com maior ou menor rigor, mais ou menos restrita geograficamente. Algumas são autênticos monumentos bibliográficos, com centenas e centenas de páginas; esta, apesar da grante quantidade de histórias que contém (75), cabe num livro de bolso de 290, número em que se incluem 75 páginas de textos introdutórios.

Enquanto lia os primeiros contos, estava na dúvida sobre que tipo de abordagem teria seguido Adolfo Coelho. Seria a dos Irmãos Grimm e outros autores, que adaptavam as histórias recolhidas conforme achassem melhor, chegando por vezes ao ponto de fundir numa só histórias díspares? Ou seria uma abordagem mais científica e mais moderna, de recolha etnográfica propriamente dita, em que há a preocupação de preservar tanto quanto for possível tudo o que de genuíno as histórias tradicionais trazem consigo?

Quando acabei de ler o livro, e embora não possa garantir que Adolfo Coelho nunca introduziu nestas histórias nada de sua lavra, fechei-o convicto de que a sua abordagem foi básica, se não unicamente, a segunda. Estas histórias, parece-me, são demasiado díspares, em estilo e em qualidade literária (por vezes muito má), e existem demasiadas coincidências nesse estilo e qualidade entre diversas histórias recolhidas no mesmo sítio e, presumivelmente, junto do mesmo contador, para que o compilador as tenha adulterado com melhoramentos ou fusões. E isso, a meu ver, é uma qualidade.

Por outro lado, parece-me haver aqui alguma insegurança no conceito de conto popular. O que é um conto popular, ao certo? Uma história que algum membro do povo conta, seja qual for, e qualquer que seja o seu tema, abordagem ou antiguidade? Ou uma história transmitida ao longo de gerações, ganhando com o tempo tons de lenda?

Adolfo Coelho parece seguir a primeira abordagem. Além de histórias populares propriamente ditas, encontram-se aqui autênticas anedotas, bem como histórias daquelas que qualquer pessoa conta aos amigos na base do não-queiras-saber-o-que-aconteceu-a-um-amigo-meu. Este tipo de história tende a concentrar-se no fim do volume, talvez porque, e atenção que isto é especulação pura, o compilador tenha achado que precisava, para compor o volume, de mais material do que as histórias tradicionais de que dispunha. Isso, a meu ver, diminui-o, mas não o suficiente para que perca o interesse. É um livro interessante, ainda que esse interesse seja com frequência bastante mais sociológico que literário, e mesmo quando o que revela sobre a psique popular de meados do século XIX não é propriamente positivo.

Eis o que fui pensando sobre cada história:
Este livro foi comprado.

Lido: Os Seis Cisnes

Por vezes, nestas coleções de histórias tradicionais mais ou menos adaptadas por quem as faz, surgem fortes ressonâncias com outras obras, literárias ou não. Normalmente são versões dessas mesmas histórias, em literatura ou no cinema, na BD ou na TV, que reconheço de ter com elas contactado há muitos anos, geralmente em miúdo. Mas nem sempre é o caso. Esta história que os Irmãos Grimm aqui apresentam, por exemplo, ressoa-me a Juliet Marillier.

A fantasia tem ao longo das décadas ido buscar muito material às histórias tradicionais, o que de resto explica boa parte do seu apelo, pois o folclore tende a depurar enredos e personagens até só ficar aquilo que mais ressoa na psique popular e são precisamente esses elementos que tanto contribuem para a popularidade do género. E Juliet Marillier utilizou esta história (ou melhor, não necessariamente Os Seis Cisnes tal como os Grimm os apresentam, mas alguma das múltiplas versões existentes da história) como inspiração para uma passagem particularmente importante do seu Filha da Floresta. E foi aí que eu a encontrei pela primeira vez.

É uma história com muitos elementos encontrados em outros contos mas também com algo de seu. Reencontramos aqui a madrasta má, neste caso filha de uma bruxa (e bruxa ela também, claro) que obriga o rei a casar com ela. Este já tinha seis filhos e, com receio do que lhes pudesse acontecer, esconde-os da nova mulher (que entretanto lhe dá uma filha), o que resulta durante algum tempo, mas só durante algum tempo. Quando a madrasta descobre os rapazes transforma-os em cisnes, deixando embora, como acontece tão frequentemente neste tipo de história, uma forma de anular o feitiço. E é o que a filha faz, pois esta, ao contrário da mãe, é boa e quer bem aos irmãos mesmo sem os conhecer.

Não é difícil compreender por que motivo Marillier escolheu esta história como inspiração. É uma história bonita, com protagonismo feminino forte de ambos os lados do conflito, invulgar nas histórias tradicionais por colocar não as donzelas indefesas à mercê dos caprichos dos homens mas, pelo contrário, os seis irmãos (já para não falar do próprio rei) à mercê dos caprichos e vontades das mulheres. Basicamente uma história feminista surgida antes de sequer se pensar em criar tal palavra.

Bastaria isso para a tornar particularmente interessante, mas esta é, além de tudo o resto, uma história realmente boa.

Contos anteriores deste livro:

domingo, 17 de março de 2019

Leiturtugas da semana

Mais uma vez, a primeira opinião da semana relacionada com as Leiturtugas coube ao Marco Lopes, que prossegue a sua leitura da antologia Proxy. Desta feita debruçou-se sobre o conto Pecado da Carne, de Carlos Silva, mais um conto de FC que deixa o Marco em 4c0s.

Depois foi a vez da Maria se estrear no projeto, com uma breve opinião sobre o conto de Nuno Markl de que eu falei aqui há um par de meses, A Terrível Criatura Sanguinária. Mas não se ficou por aí, pois no dia seguinte publicou também uma opinião igualmente breve sobre o conto lovecraftiano de Vasco Luís Curado publicado numa das revistas Bang!, O Povo do Mar. Se bem me lembro, este conto roça levissimamente pela FC (o que tende a acontecer com as ficções lovecraftianas, de resto), pelo que a Maria está com 1c1s.

E temos mais uma adesão ao projeto, a da Nights, que vai divulgar as suas opiniões ora no seu instagram, ora no seu canal do youtube.

sábado, 16 de março de 2019

Lido: O Defunto

Oito anos não são tanto tempo como isso. Daí que quando comecei a ler esta noveleta de Eça de Queirós depressa me senti a percorrer caminhos já percorridos. Fui ver e sim, é verdade, O Defunto (bibliografia) é a participação queirosiana na Antologia do Conto Fantástico português, que eu li e comentei aqui na Lâmpada em setembro de 2011. E não tenho nada de especial a acrescentar ao que escrevi nessa altura, além de esta noveleta ser o texto a que a capa desta edição que estou agora a ler alude, e que boa parte da abordagem ao fantástico que nela se encontra coincide com a de outras histórias fantásticas que o livro contém, pelo que passo a bola ao próximo texto.

Contos anteriores deste livro:

sexta-feira, 15 de março de 2019

Em 2018 falou-se de... ficção internacional

Prometeu-se, e aqui está. Depois da parte referente à ficção portuguesa e da relativa à brasileira, eis o balanço de 2018 no que toca à ficção traduzida que mereceu comentário na rede aberta de língua portuguesa. Prometeu-se que seria em fevereiro, não foi. É que isto deu uma trabalheira do caraças. Do! Caraças! Tanta, na verdade, que ou encontro outra forma de fazer isto, ou para o ano não vai haver.

Quem quiser saber mais de que se trata, siga os links ali em cima. Os restantes, podem passar à (longa) lista, e/ou aos comentários que virão a seguir.

?? (org.; ed.)
  1. Bajo el Signo de Alpha
  2. Doctor Who: Heroes and Monsters Collection
  3. Isaac Asimov Magazine, nº 2
  4. Lightspeed, nº 95
  5. The End Has Come
Abbott, Edwin A.
  1. Flatland: A Romance of Many Dimensions
Abbott, Megan
  1. O Contágio
Adams, Douglas
  1. À Boleia Pela Galáxia / O Guia do Mochileiro da Galáxia (3x)
  2. O Restaurante no Fim do Universo
Aguilera, Juan Miguel
  1. A Loucura de Deus
Akkad, Omar El
  1. Guerra Americana (4x+)
Alderman, Naomi
  1. The Power / O Poder (23x+)
Aldiss, Brian
  1. Report on Probability A
Allan, Nina
  1. The Art of Space Travel (conto)
Amory, Jay
  1. A Missão de AZ Gabrielson
Anders, Charlie Jane
  1. Os Pássaros do Fim do MundoTodos os Pássaros no Céu (6x+)
Anderson, Kevin J.
  1. Ponto de Impacto
Anderson, Poul
  1. Mundo sem Estrelas
  2. O Avatar 
Arimah, Lesley Nneka
  1. O que Acontece Quando um Homem Cai do Céu (4x)
Armentrout, Jennifer L.
  1. Originais / Origin (2x+)
  2. Opostos /Opposition (2x)
Asimov, Isaac
  1. As Cavernas de Aço (2x)
  2. Eu, Robô (4x+)
  3. Fundação
  4. Fundação (trilogia)
  5. Fundação e Império
  6. O Fim da Eternidade
  7. O Sol Desvelado
  8. Os Próprios Deuses / The Gods Themselves (3x+)
  9. Os Robôs da Alvorada
  10. Segunda Fundação (2x)
Asimov, Isaac (org.)
  1. Histórias de Robôs, vol. 1
Atwood, Margaret
  1. O Ano do Dilúvio (2x)
  2. O Conto da Aia / A História de uma Serva (12x+) 
  3. Oryx e Crake / Órix e Crex (4x)
Auster, Paul
  1. 4 3 2 1 (3x+)
Bacigalupi, Paolo
  1. Faca de Água
  2. The Windup Girl
Ballard, J. G.
  1. The Drowned World
  2. The Voices of Time (conto)
Banks, Iain M.

  1. The Player of Games
Baxter, Stephen
  1. The Martian in the Wood (conto)
Baxter, Stephen; Reynolds, Alastair
  1. As Crônicas de Medusa
Belen
  1. A Função Cria o Orgasmo (conto) 
Benner, Tarah
  1. Colony One
Bester, Alfred
  1. O Homem Demolido (2x+)
Blish, James
  1. Surface Tension (conto)
Bloch, Robert; Bradbury, Ray
  1. Às Portas da Fantasia
Bois, W.E.B. Du
  1. The Comet (conto)
Bolaño, Roberto
  1. Sepulcros de Cowboys (2x)
Boone, Ezekiel
  1. A Colônia
  2. A Expansão (3x+)
Borges, Jorge Luis
  1. Ficciones
  2. Nova Antologia Pessoal
  3. O Outro (conto)
  4. O Livro de Areia
  5. There Are More Things (conto)
Boulle, Pierre
  1. O Planeta dos Macacos
Bourne, Sam
  1. Matem o Presidente / Matar o Presidente (2x+)
Bova, Ben
  1. Alvorada Lunar
Bracken, Alexandra
  1. Os Viajantes (2x+)
  2. The Darkest Minds / Mentes Poderosas / Mentes Sombrias (6x)
Bradbury, Ray
  1. A Janela cor de Morango (conto)
  2. A Máquina do Tempo (conto)
  3. Aqui Haverá Tigres (conto)
  4. F de Foguete
  5. Fahrenheit 451 (16x)
  6. Gelo e Fogo (conto)
  7. O Dragão (conto)
  8. O Presente (conto) 
  9. Uma Sombra Passou por Aqui
Bradley, Marion Zimmer
  1. Estrela do Perigo
  2. O Sol Vermelho
  3. Os Salvadores do Planeta
Braun, Wernher von
  1. Project Mars
Brown, Dan
  1. Anjos e Demônios
  2. Origem (3x+)
Brown, Peter
  1. Robô Selvagem
Brown, Pierce
  1. Fúria Vermelha (2x)
  2. Golden Son
  3. Iron Gold
  4. Morning Star
Budrys, Algis
  1. Em Mãos Humanas (conto)
Bulgakov, Mikhail
  1. The Fatal Eggs
Bulis, Christopher
  1. A Cidade no Fim do Mundo
Burton, Tara Isabella
  1. The Destroyer (conto)
Butler, Octavia E.
  1. Bloodchild (conto) (3x+)
  2. Kindred - Laços de Sangue (10x+)
  3. A Parábola do Semeador (11x)
  4. Despertar (3x)
Byrne, Monica
  1. Traumphysik (conto)
Caidin, Martin
  1. Cyborg
Card, Orson Scott
  1. O Jogo Final
Carey, Anna
  1. Eva
Carey, M. R.
  1. A Menina que Tinha Dons (2x+)
Casares, Adolfo Bioy
  1. A Invenção de Morel
Cass, Kiera
  1. A Coroa (2x+)
  2. A Elite
  3. A Escolha
  4. A Seleção (2x+)
  5. Felizes Para Sempre (3x)
Castelluci, Cecil; Fry, Jason
  1. Alvo em Movimento (3x+)
Catling, Brian
  1. The Cloven
Chambers, Becky
  1. A Longa Viagem a um Pequeno Planeta Hostil
  2. A Vida Compartilhada em uma Admirável Órbita Fechada (5x)
Cherryh, C. J.
  1. O Sol Caiu
Clarke, Arthur C.
  1. 2001 - Uma Odisseia no Espaço
  2. A Idade do Ouro
  3. A Muralha das Trevas (conto)
  4. A Sentinela (conto)
  5. Abandonado (conto)
  6. Acidente Espacial (conto)
  7. Antes do Éden (conto)
  8. Ao Centro do Cometa (conto)
  9. Areias de Marte
  10. Encontro ao Amanhecer (conto)
  11. Fora do Berço, em Órbita para Sempre... (conto)
  12. Grupo de Salvamento (conto)
  13. Poeira Lunar (6x)
  14. Quem Está Aí? (conto)
  15. Rendezvous with Rama / Encontro com Rama (2x+)
  16. Respire Fundo (conto)
  17. Transiência (conto)
Cline, Ernest
  1. Armada (2x)
  2. Jogador nº 1 / Ready Player One - Jogador 1 / Ready Player One (5x+)
Colander, Valerie Nieman
  1. Mundo Perdido
Collins, Suzanne
  1. A Quarta Profecia
  2. A Última Profecia
Condie, Ally
  1. Conquista
  2. Destino
  3. Travessia
Cook, Robin
  1. Servidão Mental
Cooper, Edmund
  1. As Borboletas (conto)
  2. Dia de Juízo (conto)
  3. M 81: Ursa Maior (conto)
  4. O Menhir (conto)
Corey, James S. A.
  1. Caliban's War
  2. Leviatã Desperta (2x)
  3. Persepolis Rising
Cortázar, Julio
  1. A Volta ao Dia em 80 Mundos
Cravens, Gwyneth; Marr, John S.
  1. A Peste Negra
Crichton, Michael
  1. Jurassic Park (3x+)
  2. O Enigma de Andrômeda (3x)
Crilley, Paul
  1. Demolidor: Homem sem Medo
Crouch, Blake
  1. Dark Matter
Dalcher, Christina
  1. Vox (14x)
Delaney, Joseph
  1. Arena 13
Delany, Samuel R.
  1. Nova
DeLillo, Don
  1. Zero K
Dick, Philip. K.
  1. Do Androids Dream of Electric Sheep? / Será que os Androides Sonham com Ovelhas Elétricas? / Androides Sonham com Ovelhas Elétricas? (4x)
  2. Fluam Minhas Lágrimas, Disse o Policial
  3. Espere Agora Pelo Ano Passado (8x)
  4. O Homem do Castelo Alto (5x)
  5. O Tempo Desconjuntado (13x)
  6. Sonhos Elétricos (5x+)
  7. Ubik
  8. Um Reflexo na Escuridão
  9. Valis
Donbavand, Tommy
  1. Mortalha da Lamentação
Doyle, Arthur Conan
  1. O Mundo Perdido
Dozois, Gardner
  1. When the Great Days Came (conto)
Egan, Greg
  1. Uncanny Valley (conto)
Eggers, Dave
  1. O Círculo
Engle, Madeleine l'
  1. Muitas Águas (5x)
  2. Um Planeta em seu Giro Veloz (5x)
  3. Um Vento à Porta (7x+)
  4. Uma Dobra no Tempo (6x+)
Finney, Jack
  1. Os Invasores de Corpos
Fogwill, Rodolfo
  1. Runa
Fry, Jason
  1. Os Últimos Jedi
Gabaldon, Diana
  1. A Cruz de Fogo
  2. A Cruz de Fogo, parte I
  3. A Libélula Presa no Âmbar (2x)
  4. A Viajante
  5. Nas Asas do Tempo (2x)
  6. Outlander
  7. Um Sopro de Neve e Cinzas (3x)
Gaiman, Neil
  1. Deuses Americanos
Gaiman, Neil; Reaves, Michael
  1. EntreMundos
Gibson, William
  1. Neuromancer (2x+)
Gibson, William; Sterling, Bruce
  1. The Difference Engine
Gilman, Charlotte Perkins
  1. Herland - A Terra das Mulheres / Terra das Mulheres (4x+)
Golden, Christopher
  1. Alien: Rio de Sofrimento
Goulart, Ron
  1. Cannibal Farm (conto)
Goyer, David S.; Cassut, Michael
  1. Sombra do Paraíso
Grant, Michael
  1. Light
  2. Plague
Graudin, Ryan
  1. Sangue por Sangue
Gray, Andrew Neil-; Herbison, J. S.
  1. The Ghost Line
Gray, Claudia
  1. Dez Mil Céus Sobre Você
  2. Legado de Sangue
  3. Mil Pedaços de Você
Green, Hank
  1. Uma Coisa Absolutamente Incrível / Uma Coisa Absolutamente Fantástica (21x)
Grimwood, Ken
  1. Revivente
Guin, Ursula K. Le
  1. A Mão Esquerda das Trevas / A Mão Esquerda da Escuridão (6x+)
  2. Aqueles que se Afastam de Omelas (conto)
  3. Os Despojados
Haig, Matt
  1. Como Parar o Tempo
  2. Os Humanos (7x)
Harris, Robert
  1. Fatherland
Heilig, Heidi
  1. The Girl From Everywhere - O Mapa do Tempo (2x+)
Heinlein, Robert A.
  1. ... E Ele Construiu uma Casa Torta (conto)
  2. Tropas Estelares
  3. Um Estranho numa Terra Estranha (6x)
  4. Um Estranho Numa Terra Estranha, vol I (2x+)
Herbert, Frank
  1. Duna (3x+)
  2. Messias de Duna
Hicks, Eddie R.
  1. The Siege of Sirius
Hill, Joe
  1. Mestre das Chamas
  2. Strange Weather
Hodgson, William Hope
  1. A Terra da Noite
Houllebecq, Michel
  1. Submissão (2x+) 
Hunt, Stephen
  1. A Corte do Ar
Hutchinson, Dave
  1. Acadie
Huxley, Aldous
  1. A Ilha
  2. Admirável Mundo Novo (8x)
  3. O Macaco e a Essência
Hynes, C. J. Cuttcliffe
  1. O Lagarto (conto)
Ishiguro, Kazuo
  1. Não me Abandone Jamais / Nunca me Deixes (4x+)
Itäranta, Emmi
  1. Memória da Água
Jemisin, N. K.
  1. A Quinta Estação (4x+)
  2. O Portão do Obelisco (3x)
Kaufman, Amie; Kristoff, Jay
  1. Illuminae
Kaufman, Amie; Spooner, Meagan
  1. Quando as Estrelas Caem (4x)
Keyes, Daniel
  1. Flores Para Algernon (14x)
King, Stephen
  1. A Cúpula
  2. A Incendiária (16x)
  3. A Torre Negra (2x+)
  4. As Terras Devastadas
  5. Celular (10x)
  6. Lobos de Calla (2x+)
  7. Mago e Vidro
  8. Novembro de 63
  9. O Bazar dos Sonhos Ruins
  10. Sob a Redoma
King, Stephen; King, Owen
  1. Belas Adormecidas (3x+)
Kloos, Marko
  1. Angles of Attack
  2. Chains of Command
  3. Fields of Fire
  4. Lines of Departure
  5. Points of Impact
  6. Terms of Enlistment
Koontz, Dean
  1. Ricochet Joe (conto)
Lavalle, Victor
  1. A Balada do Black Tom (6x)
Leckie, Ann
  1. Justiça Ancilar / Anciliary Justice (12x+)
Lem, Stanislaw
  1. Solaris (6x+)
Lewis, C. S.
  1. Além do Planeta Silencioso
  2. Uma Força Medonha
Lewis, Sinclair
  1. Isso não Pode Acontecer Aqui
Lindqvist, John Ajvide
  1. Mortos Entre Vivos
Link, Kelly; Grant, Gavin J. (org.)
  1. Steampunk!
Liu, Cixin
  1. A Floresta Sombria / The Dark Forest (5x+)
  2. Death's End
  3. O Problema dos Três Corpos (6x+)
  4. The Weight of Memories (conto)
Llwellyn, David
  1. A Noite dos Humanos
London, Jack
  1. Mil Mortes e Outras Histórias
Lore, Pittacus
  1. Sou o Número Quatro
Loureiro, Manel
  1. O Princípio do Fim
Lovecraft, H. P.
  1. A Busca Onírica por Kadath
  2. A Cor que Caiu do Espaço (conto)
  3. A Sombra de Innsmouth
  4. A Tumba (conto)
  5. Contos, vol. 2
  6. Dagon (conto)
  7. Lovecraft - Medo Clássico, vol. I (2x+)
  8. Nas Montanhas da Loucura
  9. O Chamado de Cthulhu e Outros Contos
  10. Os Contos Mais Arrepiantes de Howard Philips Lovecraft (3x)
  11. Os Melhores Contos de Howard Philips Lovecraft, vol. 6
  12. Sonhos na Casa da Bruxa (conto)
  13. Uma Reminiscência do Dr. Samuel Johnson (conto)
Lu, Marie
  1. A Estrela da Meia-Noite
  2. Champion
  3. Prodigy
  4. Jovens de Elite
  5. Legend
  6. Vigilante Noturno / Criaturas da Noite (10x+)
  7. Warcross (5x+)
Lunde, Maja
  1. Tudo que Deixamos Para Trás
Maas, Sarah J.
  1. Almas Roubadas
Maberry, Jonathan
  1. O Advogado do Diabo
Maberry, Jonathan (org.)
  1. Arquivo X: Histórias Inéditas
Machado, Carmen Maria
  1. O Corpo Dela e Outras Partes / O Corpo Dela e Outras Farras (8x)
MacLeod, Ken
  1. Earth Hour (conto) 
Mafi, Tahereh
  1. Estilhaça-me
Magnason, Andri Snær
  1. A Ilusão do Tempo
  2. LoveStar / Love Star (7x)
Malerman, Josh
  1. Caixa de Pássaros / Às Cegas (6x+)
Mandel, Emily St. John
  1. Estação Onze
Mandelo, Brit
  1. The Finite Canvas (conto)
Mangels, Ando; Martin, Michael A.
  1. Taking Wing
Martin, George R. R.
  1. A Flor de Vidro (conto)
  2. Nightflyers (conto)
  3. Nightflyers & Other Stories
Martin, George R. R. (org.)
  1. Ases pelo Mundo
  2. Jogo Sujo
  3. Wild Cards
Martin, George R. R.; Dozois, Gardner (org.)
  1. As Crônicas de Marte (2x+)
  2. Histórias de Aventureiros e Patifes
  3. Histórias de Vigaristas e Canalhas
  4. Mulheres Perigosas (2x+)
  5. Nada Enfurece Mais uma Mulher (3x)
Martin, George R. R.; Dozois, Gardner; Abraham, Daniel
  1. Caçador em Fuga
Martin, George R. R.; Tuttle, Lisa
  1. Santuário dos Ventos (4x+)
Mather, Matthew
  1. Cyberstorm
McCarthy, Cormac
  1. A Estrada
McDevitt, Jack
  1. Omega
McGee, Katharine
  1. O Milésimo Andar (3x)
Melamed, Jennie
  1. O Silêncio das Filhas (2x+)
Melo, Romeu de (org.)
  1. Ficção Científica: Os Melhores Contos
Mesta, Gabriel
  1. The Martian War
Meyer, Marissa
  1. Cinder (6x)
  2. Cress (2x)
  3. Levana
  4. Scarlet (3x)
  5. Winter (3x+)
Miéville, China
  1. A Cidade & A Cidade
  2. Estação Perdido / Perdido Street Station (2x+)
Miller, Walter M.
  1. Um Cântico Para Leibowitz
Mitchell, J. Barton
  1. Cidade da Meia-Noite
Monir, Alexandra
  1. Os Seis Finalistas (7x)
Montero, Rosa
  1. Lágrimas na Chuva
Montgomery, Ross
  1. O Meu Amigo de Outro Mundo
Moorcock, Michael
  1. Travelling to Utopia
Moore, James A.
  1. Alien: Mar de Angústia
More, Thomas
  1. Utopia
Morgan, Kass
  1. A Revolta
  2. Light Years
  3. O Regresso a Casa
Morgan, Richard K.
  1. Altered Carbon / Carbono Alterado (6x+)
  2. Broken Angels / Anjos Partidos (2x)
  3. Woken Furies
Ness, Patrick
  1. O Motivo
Neuvel, Sylvain
  1. Deuses Renascidos
  2. Gigantes Adormecidos (2x)
Newman, Peter
  1. The Malice
Niffenegger, Audrey
  1. A Mulher do Viajante no Tempo
Niven, Larry
  1. Destiny’s Road
North, Claire
  1. A Súbita Aparição de Hope Arden
Norton, Andre
  1. Time Traders
Oden, Thomas
  1. O Dom da Lágrima
Okorafor, Nnedi
  1. Binti (2x)
  2. Home
  3. The Night Masquerade
  4. Who Fears Death / Quem Teme a Morte (6x+)
Oliva, Alexandra
  1. O que Restou
  2. Sobrevive
Oliver, Chad
  1. Let me Live in a House (conto)
Orwell, George
  1. 1984 (4x)
Peel, John
  1. Evolução
Pelevin, Victor
  1. O Elmo do Horror
Poe, Edgar Allan
  1. Contos de Imaginação e Mistério
  2. Histórias Extraordinárias (3x+)
  3. Medo Clássico
  4. Medo Clássico, vol. 2
  5. Os Melhores Contos de Edgar Allan Poe (2x+)
Pratchett, Terry; Baxter, Stephen
  1. A Terra Longa (2x)
Priest, Cherie
  1. Boneshaker
  2. Clementine
  3. Dreadnought
  4. Ganymede
  5. Jacaranda
  6. Tanglefoot (conto)
  7. The Fiddlehead
  8. The Inexplicables
Priest, Christopher
  1. O Prestígio
Pynchon, Thomas
  1. Arco-Íris da Gravidade
Reed, Robert
  1. The Cure (conto)
Reeve, Philip
  1. A Darkling Plain
  2. Infernal Devices
  3. Máquinas Mortais / Engenhos Mortíferos (7x)
  4. Predator's Gold
Reintgen, Scott
  1. Nyxia
Reizin, P. Z.
  1. Felicidade Para Humanos (4x+)
Riddle, A. G.
  1. A Praga
Robb, J. D.
  1. Naquele Tempo
  2. Visão Mortal
Rollins, James
  1. A Sétima Praga
Robinson, Kim Stanley
  1. Encarcerados
  2. Green Mars
Rollins, James
  1. A Cidade Perdida
  2. A Coroa do Demónio
  3. A Sexta Extinção
Roth, Veronica
  1. Destinos Divididos
Rucka, Greg
  1. A Missão do Contrabandista
Rush, Jennifer
  1. Amnésia
Russo, John
  1. A Noite dos Mortos-Vivos (2x)
Ryman, Geoff
  1. Ar
Saberhagen, Fred
  1. As Máquinas da Destruição
Saint-Exupéry, Antoine de
  1. O Pequeno Príncipe / O Principezinho (3x+)
Sanderson, Brandon
  1. Calamidade (3x)
  2. Coração de Aço
  3. Tormenta de Fogo (3x)
Scalzi, John
  1. After the Coup (conto)
  2. As Brigadas Fantasma (2x+)
  3. Encarcerados (8x+)
  4. Guerra do Velho / A Guerra é para os Velhos (3x)
  5. Head On (3x)
  6. The Collapsing Empire
  7. The President's Brain is Missing (conto)
Scarrow, Alex
  1. O Código do Apocalipse
Schaefer, Elizabeth
  1. Os Últimos Jedi
Schreiber, Joe
  1. Troopers da Morte
Scott, Jasper T.
  1. Dark Space Universe
Selznick, Brian
  1. The Invention of Hugo Cabret / A Invenção de Hugo Cabret (2x+)
Sheckley, Robert
  1. Dimension of Miracles
Shelley, Mary
  1. Frankenstein (5x+)
Shiel, M. P.
  1. A Nuvem Púrpura
Shusterman, Neal
  1. A Nuvem (8x)
  2. Fragmentados
  3. O Ceifador (7x+)
Silvera, Adam
  1. More Happy than Not
Silverberg, Robert
  1. O Chanceler de Ferro (conto)
  2. O Homem Invisível (conto)
  3. Regresso à Vida
Simsion, Graeme
  1. O Projeto Rosie
Smith, Clark Ashton 
  1. Abandonados em Andrômeda (conto)
Stapledon, Olaf
  1. Last and First Men
Steele, Allen M.
  1. An Incident at the Luncheon of the Boating Party (conto)
Stevenson, Robert Louis
  1. O Médico e o Monstro (3x+)
Strugátski, Arkádi e Boris
  1. Piquenique na Estrada (5x+)
Sturgeon, Theodore
  1. As Artes de Xanadu
Swift, Jonathan
  1. As Viagens de Gulliver / Viagens de Gulliver (4x+)
Teller, Janne
  1. Guerra: E se Fosse Aqui? (conto)
Tidbeck, Karin
  1. Amatka
Valente, Catherynne M.
  1. Space Opera
Vance, Jack
  1. Os Oleiros de Firsk (conto)
VanderMeer, Ann e Jeff (org.)
  1. Steampunk
VanderMeer, Jeff
  1. Aceitação (2x+)
  2. Aniquilação (3x+)
  3. Autoridade
  4. Borne
  5. The Strange Bird (conto)
  6. The World is Full of Monsters (conto)
Verne, Jules
  1. A Ilha Misteriosa
  2. Around the World in Eighty Days / A Volta ao Mundo em 80 Dias (3x+)
  3. Cinco Semanas num Balão
  4. Viagem ao Centro da Terra (3x)
  5. Vinte Mil Léguas Submarinas / 20 Mil Léguas Submarinas (4x+)
Vinge, Vernor
  1. A Fire Upon the Deep
Vonnegut, Kurt
  1. As Sereias de Titã
  2. Cama de Gato (5x+)
  3. Matadouro 5
Walker, Rysa
  1. Chronos: Viajantes do Rempo (2x+)
  2. Limites do Tempo (2x)
Wallace, David Foster
  1. A Piada Infinita
Wallach, Tommy
  1. Até o Fim do Mundo (2x+)
Watts, Peter
  1. Maelstrom
Weir, Andy
  1. Artemis (8x+)
  2. Perdido em Marte
Wells, H. G.
  1. A Guerra dos Mundos (2x+)
  2. A Ilha do Doutor Moreau / A Ilha do Dr. Moreau (5x)
  3. A Máquina do Tempo (11x)
  4. Ficção Curta Completa, vol. I
  5. O Cogumelo Vermelho
Wells, Martha
  1. All Systems Red
  2. Artificial Condition
  3. O Fio da Navalha
  4. Rogue Protocol
Wendig, Chuck
  1. Fim do Império
  2. Marcas da Guerra (2x)
West, Kasie
  1. Pivot Point
  2. Split Second
Westerfeld, Scott
  1. Beemote: A Revolução / Behemoth (2x)
  2. Goliath
  3. Leviathan
White, James
  1. Sector General (conto)
White, Kiersten
  1. A Sombria Queda de Elizabeth Frankenstein
Whitehead, Colson
  1. A Estrada Subterrânea / Os Caminhos Para a Liberdade (4x+)
Whittaker, K. J.
  1. False Lights
Wilhelm, Kate
  1. Where Late the Sweet Birds Sang
Willis, Connie
  1. Interferências (13x+)
  2. O Livro do Juízo Final (3x+)
Wilson, Daniel H.
  1. Robopocalipse (2x+) 
Wilson, Sam
  1. O Assassino do Zodíaco
Windo, Nick Clark
  1. Quando a Luz se Apaga (3x)
Wul, Stefan
  1. O Templo do Passado
  2. Pré-História do Futuro
  3. Regresso a Zero
Wyndham, John
  1. Circuito de Compaixão (conto)
  2. Flor Silvestre (conto)
  3. Meteoro (conto)
  4. Tempo de Descansar (conto)
Yancey, Rick
  1. A 5ª Onda
  2. A Última Estrela
  3. O Mar Infinito
Zahn, Timothy
  1. Thrawn (2x+)
  2. Thrawn: Alliances
Zamiátin, Evguéni
  1. Nós (3x+)
Zelazny, Roger
  1. Nine Princes in Amber
  2. O Beco dos Malditos
  3. Sign of the Unicorn
  4. The Courts of Chaos
  5. The Guns of Avalon
  6. The Hand of Oberon
Zumas, Leni
  1. As Horas Vermelhas
Como veem, há muita coisa e muito variada, da ficção científica pura e dura a obras que se limitam a roçar ao de leve pelo género. Salvo algum erro de contas, e com tanta coisa é perfeitamente possível que haja aqui alguns erros, chegámos muito perto do meio milhar de títulos: 498, número que inclui 68 contos. Isto distribuído por 258 autores ou equipas de autores, a que se somam apenas 8 antologistas e/ou editores (um dos quais português), individuais ou em equipa. São números significativos.

Comparando com as listas equivalentes de obras lusófonas, há várias coisas que saltam à vista. Para começar, há aqui uma proporção muito maior de autores presentes com mais que uma obra, o que, mesmo contando com as inevitáveis distorções causadas por campanhas de marketing (que em si mesmas também são significativas) reflete não só a existência de produção regular (o que entre os lusófonos, e especialmente entre os portugueses, não é muito frequente) mas também o facto de numerosos autores terem um público razoavelmente fiel que lhes abre as portas da publicação regular. Também encontramos aqui algo que não se encontra entre os lusófonos: obras de grande sucesso, abundantemente lidas e comentadas, por vezes associadas a filmes e séries de TV.

E não há aqui absolutamente nenhuma novidade, não é? Já todos sabíamos que era assim que as coisas funcionavam.

Destaques, portanto, há-os de dois tipos. Aqueles autores que são alvo de comentários numerosos a obras igualmente nomerosas, casos de Asimov, com pelo menos 17 comentários distribuídos por 10 títulos, Bradbury, com 24 comentários distribuídos por 9 obras, Clarke, com 23 ou mais comentários distribuídos por 17 obras, Dick, com pelo menos 39 comentários distribuídos por 9 títulos, King, com 36 comentários ou mais a 10 obras, Lovecraft, com 16 comentários, ou mais, espalhados por 13 títulos, Marie Lu, com pelo menos 20 comentários a 7 obras, Marissa Meyer, com 15 comentários ou mais a 5 obras, Scalzi, com pelo menos 19 comentários distribuídos por 7 obras, Verne, com 12 comentários, ou mais, dispersos por 5 obras e Wells, com pelo menos 20 comentários dispersos por 5 títulos. E os autores de uma obra só, embora muito popular, como Naomi Alderman (23 comentários, ou mais), Christina Dalcher (14 comentários), Hank Green (21 comentários), Daniel Keyes (14) ou Ann Leckie (12, ou mais). E também há casos intermédios, como o de Atwood, com 20 ou mais comentários a apenas 3 obras, Octavia Butler, com pelo menos 27 comentários a 4 obras, Madeleine l'Engle, com 23 comentários ou mais a 4 obras, Heinlein, com pelo menos 10 comentários a 4 obras, Huxley, com 10 comentários a 3 títulos, Cixin Liu, com 13 comentários ou mais distribuídos por 4 títulos, Philip Reeve, com 10 comentários a 4 obras, Shusterman, com 16 comentários, ou mais, a 3 obras e Connie Willis, com pelo menos 16 comentários a 2 obras.

Tudo números praticamente impensáveis para os autores lusófonos, claro está. Nem Saramago chega perto.

E agora com licença, que ainda tenho um conjunto de categorias mais reduzidas a tratar. Não faço ideia de quando esse post poderá ficar pronto, mas acabará por ficar. Até lá.

quinta-feira, 14 de março de 2019

Em fevereiro falou-se de...

Mais um mês, este mais curto que os outros, e mais opiniões na web aberta de língua portuguesa sobre obras de ficção científica e arredores. E como eu tinha previsto o número de comentários a obras de autores portugueses voltou a descer abaixo dos 10, mas sobre isso falarei mais depois das listas, como é habitual.

Para já, e também como é habitual, os links para: 1) os lugares onde podem encontrar mais informação sobre o que diabo vem a ser isto, que objetivo tem, de que limitações sofre, por aí fora. Aqui. E 2) onde podem encontrar os outros posts desta série, tanto os já publicados como os que ainda serão publicados no futuro, caso venham cá ter daqui a pelo menos um mês. Aqui.

E vamos às listas? Vamos às listas.

Ficção portuguesa:
  1. Ecologia, de Joana Bértholo
  2. Os Jardins Suspensos da Babilónia, de Leonor Ferrão (conto)
  3. Deuses Como Nós, de Vítor Frazão (conto)
  4. O Artefacto, de Pedro Pereira (conto)
  5. A Filha da Peste, de Carina Portugal (conto)
  6. Ensaio Sobre a Cegueira, de José Saramago
  7. Ensaio Sobre a Lucidez, de José Saramago (4x)
  8. Anjos, de Carlos Silva
Ficção brasileira:
  1. A Taverna, nº 1, ed. ??? (2x)
  2. Confinados, org. ??? (3x)
  3. Autômato, de Marco Barnieri e Will Nascimento (2x)
  4. No Cosmo, Assim Como no Coração, de Brenda Bresnau
  5. A Guia, de Évany Cristina Campos
  6. Amorquia, de André Carneiro
  7. Piscina Livre, de André Carneiro
  8. Back in the USSR, de Fábio Fernandes
  9. A Lua Negra de Patânia, de José M. S. Freire
  10. Elemento Alpha, de Priscilla Gonçalves
  11. Quãm e os Indícios Mortais, de Tadeu Loppara
  12. Vende-se Este Futuro, de Bruno Miquelino
  13. Zigurate, de Max Mallmann
  14. Às Moscas, Armas!, de Nelson de Oliveira
  15. A Era dos Mortos, parte 2, de Rodrigo de Oliveira
  16. A Revelação, de M. Pattal (2x)
  17. Aquecimento Global (Em Fogo Alto), de Rodrigo Rahmati (conto)
  18. O Vampiro de Nova Holanda, de Gerson Lodi-Ribeiro (conto)
  19. Fanfic, de Braulio Tavares
  20. Histórias Para Lembrar Dormindo, de Braulio Tavares
  21. E Se..., de Giovanna Vaccaro (2x)
Ficção lusófona e internacional:
  1. Assembléia Estelar, org. Marcello Simão Branco
Ficção internacional:
  1. O Restaurante no Fim do Universo, de Douglas Adams
  2. Brilliant Devices, de Shelley Adina
  3. Her Own Devices, de Shelley Adina
  4. Lady of Devices, de Shelley Adina
  5. Magnificent Devices, de Shelley Adina
  6. O Poder, de Naomi Alderman
  7. O que Acontece Quando um Homem Cai do Céu, de Lesley Nneka Arimah
  8. Opala, de Jennifer L. Armentrout
  9. As Cavernas de Aço, de Isaac Asimov (2x)
  10. Eu, Robô, de Isaac Asimov
  11. Fundação, de Isaac Asimov (4x)
  12. Half Breed, de Isaac Asimov (conto)
  13. Liar, de Isaac Asimov (conto)
  14. Marooned Off Vesta, de Isaac Asimov (conto)
  15. O Fim da Eternidade, de Isaac Asimov (2x)
  16. Ring Around the Sun, de Isaac Asimov (conto)
  17. The Magnificent Possession, de Isaac Asimov (conto)
  18. The Weapon, Too Dreadful to Use, de Isaac Asimov (conto)
  19. Trends, de Isaac Asimov (conto)
  20. O Ano do Dilúvio, de Margaret Atwood
  21. O Conto da Aia, de Margaret Atwood (3x)
  22. Orys e Crake, de Margaret Atwood
  23. Faca de Água, de Paolo Bacigalupi
  24. Farenheit 451, de Ray Bradbury (2x)
  25. Despertar, de Octavia E. Butler
  26. Kindred: Laços de Sangue, de Octavia E. Butler (3x)
  27. Hiperpilosity, de L. Sprague de Camp
  28. Uma Longa Viagem a um Pequeno Planeta Hostil, de Becky Chambers (2x)
  29. The Lives of Tao, de Wesley Chu
  30. A Derradeira Manhã, de Arthur C. Clarke (conto)
  31. As Canções da Terra Distante, de Arthur C. Clarke
  32. A Armadilha do Paraíso, de A. C. Crispin
  33. Vox, de Christina Dalcher (14x)
  34. A Terceira Potência, de Clark Darlton
  35. Babel-17, de Samuel R. Delany
  36. Espere Agora Pelo Ano Passado, de Philip K. Dick
  37. O Homem do Castelo Alto, de Philip K. Dick
  38. Fênix - A Ilha, de John Dixon
  39. O Mundo Perdido, de Artur Conan Doyle (2x)
  40. The 2055 Hugo Awards, de Harlan Ellison, Doug Mayo-Wells, Meghan Davis, Joshua Gunter, Michael Canfield, Thornton Kimes (microficções)
  41. Os Herreachs, de Robert Feldhoff
  42. Tempo Acelerado, de Robert Feldhoff
  43. Fantasy & Science Fiction, nº 645, ed. Gordon van Gelder
  44. Um Milhão de Mundos com Você, de Claudia Gray
  45. Uma Coisa Absolutamente Fantástica, de Hank Green
  46. Deathworld, de Harry Harrison
  47. If This Goes On, de Robert A. Heinlein (conto)
  48. Life-Line, de Robert A. Heinlein (conto)
  49. Misfits, de Robert A. Heinlein (conto)
  50. Requiem, de Robert A. Heinlein (conto)
  51. Successful Operation, de Robert A. Heinlein (conto)
  52. Um Estranho Numa Terra Estranha, de Robert A. Heinlein (3x)
  53. Messias de Duna, de Frank Herbert (2x)
  54. The Dangerous Dimension, de L. Ron Hubbard (conto)
  55. We Are the Ants, de Shaun David Hutchinson
  56. Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley (2x)
  57. Não me Abandone Jamais, de Kazuo Ishiguro
  58. Contos Clássicos de Terror, org. Julio Jeha
  59. The Edge of Human, de K. W. Jeter
  60. Flowers for Algernon, de Daniel Keyes
  61. As Terras Devastadas, de Stephen King
  62. Celular, de Stephen King
  63. O Concorrente, de Stephen King
  64. A Balada do Black Tom, de Victor LaValle
  65. Solaris, de Stanislaw Lem
  66. The Three-Body Problem, de Cixin Liu
  67. Azathoth, de H. P. Lovecraft (conto)
  68. Beyond the Wall of Sleep, de H. P. Lovecraft (conto)
  69. Celephaïs, de H. P. Lovecraft (conto)
  70. Medo Clássico, de H. P. Lovecraft
  71. Os Contos Mais Arrepiantes de Howard Philips Lovecraft, de H. P. Lovecraft
  72. Tudo o que Deixamos Para Trás, de Maja Lunde
  73. O Corpo Dela e Outras Farras, de Carmen Maria Machado
  74. Às Cegas / Caixa de Pássaros, de Josh Malerman (4x)
  75. A Estrada, de Cormac McCarthy
  76. Cinder, de Marissa Meyer
  77. Cress, de Marissa Meyer
  78. Scarlet, de Marissa Meyer
  79. The City & The City, de China Miéville
  80. Um Conto de Natal, de China Miéville (conto)
  81. Utopia, de Thomas More
  82. Light Years, de Kass Morgan
  83. Carbono Alterado, de Richard Morgan
  84. 1Q84, de Haruki Murakami
  85. Autonomous, de Annalee Newitz
  86. Sobrevive, de Alexandra Oliva
  87. Zoo, de James Patterson e Michael Ledwidge
  88. Sombras do Império, de Steve Perry
  89. A Terra Longa, de Terry Pratchett e Stephen Baxter
  90. Engenhos Mortíferos / Máquinas Mortais, de Philip Reeve (3x)
  91. Felicidade Para Humanos, de P. Z. Reizin
  92. Wake me After the Apocalypse, de Jordan Rivet
  93. Sobrevivência Mortal, de J. D. Robb
  94. Traição Mortal, de J. D. Robb
  95. Calamidade, de Brandon Sanderson
  96. Coração de Aço, de Brandon Sanderson
  97. Guerracivilância em Mau Declínio, de George Saunders
  98. Flashforward, de Robert J. Sawyer
  99. Frankenstein, ou o Prometeu Moderno, de Mary Shelley
  100. Scythe / O Ceifador, de Neal Shusterman (2x)
  101. Nascer do Sol em Mercúrio, de Robert Silverberg (conto)
  102. Arkwright, de Allen M. Steele
  103. Certamente, Talvez, de Irmãos Strugatsky
  104. Renda Limitada, de Walter Tevis (conto)
  105. A Volta ao Mundo em 80 Dias, de Jules Verne
  106. Black Destroyer, de A. E. Van Vogt (conto)
  107. Nova Era, de Chris Weitz
  108. A Guerra dos Mundos, de H. G. Wells
  109. A Ilha do Doutor Moreau, de H. G. Wells
  110. A Máquina do Tempo, de H. G. Wells
  111. A Sombria Queda de Elizabeth Frankenstein, de Kiersten White
  112. Thrawn, de Timothy Zahn
  113. Nós, de Evgueni Zamiatine
  114. Trumps of Doom, de Roger Zelazny
  115. As Horas Vermelhas, de Leni Zumas
Não-ficção portuguesa:
  1. Inteligência Artificial, de Arlindo Oliveira
Não-ficção internacional:
  1. 21 Lições para o Século 21, de Yuval Noah Harari
Como já se mencionou, o número de comentários a material português voltou a cair abaixo daquilo que me parece aceitável, mas há duas coisas a ter em conta. Uma é que o número de 8 comentários seria visto como particularmente bom se estivéssemos no ano passado, pelo que mesmo sendo baixo é um claro progresso. A outra é que os 12 do mês passado contaram com ajuda de duas opiniões minhas, ao passo que nos 8 deste mês não houve participação aqui da Lâmpada. Ora, de 10 para 8 a descida é pequena e corresponde mais a uma estabilidade do que propriamente a uma redução. O destaque cabe a Saramago, com 5 opiniões, ainda que a maioria tenha sido textos pequenos e muito parcelares sobre um dos seus livros.

Também entre os brasileiros houve uma descida, o que mais uma vez é natural dado que o número de títulos de janeiro tinha sido o mais elevado de sempre. E além disso, mantêm-se acima dos 20 títulos (e teriam precisamente 20 sem a minha participação), a que há a acrescentar mais um que mistura ficção brasileira e traduzida, pelo que não tenho nada de mau a dizer sobre eles. Assim mesmo é que se faz. Não há é ninguém que realmente se destaque: a antologia Confinados recebeu 3 opiniões e houve uma série de outras obras e autores com duas opiniões cada. Seis ao todo, do nº 1 da revista A Taverna a Giovanna Vaccaro, passando por Marco Barnieri e Will Nascimento, André Carneiro, M. Pattal e Braulio Tavares.

Curiosamente, o material traduzido foi particularmente abundante, tendo-se pela primeira vez ultrapassado os 100 títulos. Para isso contribuíram muitas opiniões a contos, o aparecimento nas pesquisas regulares que faço no Google de um par de sites que não têm RSS (o que levou à divulgação de material atrasado, o que não aconteceria se tivessem, pois ele seria detetado aquando da publicação e não um mês ou mais depois) e uma mudança na forma como eu encaro no Ficção Científica Literária alguns posts que falam mais desenvolvidamente sobre múltiplos títulos, anteriormente englobados nos artigos de opinião mas incluídos de há algum tempo a esta parte nas resenhas. Destacam-se Asimov, com 16 opiniões dispersas por 11 títulos, Dalcher, com 14 opiniões sobre o seu romance recente, Heinlein, com 8 opiniões sobre 6 títulos, Atwood, com 5 opiniões sobre 3 títulos e Lovrcraft, também com 5 opiniões sobre outras tantas obras.

Em suma: o mês não foi nada mau, antes pelo contrário, mesmo tendo as opiniões a material português regressado a níveis insatisfatórios. Daqui a (menos de) um mês veremos como foi março. Até lá.

quarta-feira, 13 de março de 2019

Lido: O Velho Sultão

Tem desculpa quem passar os olhos por este título e imaginar de imediato um conto saído diretamente das Mil e Uma Noites, cheio de exotismo islâmico e djinns. Mas engana-se redondamente. O Velho Sultão é sobre um cão. O cão Sultão.

Trata-se de uma fábula sobre favores e gratidão ou falta dela. O Sultão é tão velho que o dono quer abatê-lo até que um lobo concebe um plano para lhe salvar a vida, mostrando-o útil ao dono. Resulta, mas o lobo contava que o favor lhe fosse retribuído, e não é, o que leva o lobo a vingar-se. E aqui tenho de fazer um pequeno intervalo para dizer que os Irmãos Grimm meteram a pata na poça.

Como já devem saber, era seu costume criarem contos novos a partir de dois ou mais contos tradicionais, que na sua opinião se completavam. E foi o que fizeram aqui: a primeira parte deste conto provém de uma história, a segunda de outra. O que acontece é que se por vezes pouco se dá pela marosca, aqui dá-se e dá-se bem.

É que na primeira parte temos uma história sobre a ingratidão. O lobo ajuda o cão e, quando vai em busca da reciprocidade, o cão nega-lha, preferindo manter-se fiel ao dono que o queria matar. E isso dá uma história boa, com um dilema moral inteligente, que os Grimm destroem acrescentando-lhe a segunda parte, que consiste basicamente de uma daquelas histórias inspiradoras em que os bons vencem os maus mesmo quando parecem estar em grande inferioridade. E quem são os maus? O lobo, claro, que esta segunda história é muito menos sofisticada que a primeira. O resultado desta costura pouco inspirada é um conto inconsistente.

Contos anteriores deste livro:

Lido: História do Ingrato Punido

Este exercício do Italo Calvino é realmente muito curioso. (E se não sabem de que se trata, leiam o que escrevi aqui.) Este primeiro resultado tem um forte tom de conto popular, mas torce-o de uma forma muito invulgar com a narrativa muda feita através das cartas do Tarot. Quem a narra por escrito não é o seu protagonista, e só pode adivinhar o que este quer dizer não só com as cartas que pousa na mesa mas também com a mímica e as expressões faciais que utiliza ao fazê-lo.

Há, apesar disso, muitos traços em comum entre esta História do Ingrato Punido e as histórias tradicionais, ainda não sei bem se propositadamente ou por casualidade (se bem que, sendo Calvino quem é, duvido muito que fosse realmente casual). Começando pelo título descritivo, pois o que aqui temos é realmente uma história de um ingrato que é punido, passando pelo tom entre o fantástico e o maravilhoso, e terminando no ambiente mais ou menos medieval, com o narrador-mudo a desempenhar o papel dos príncipes dessas histórias (não o seria realmente, mas era decerto fidalgo abastado) e a respetiva donzela, que desflora e logo de seguida desengana, a servir de motor primordial do enredo. E uns pozinhos de magia a temperar.

Há que dizer que a história em si não é particularmente interessante ou surpreendente, valendo o conto sobretudo pelo truque narrativo e pela qualidade no uso da linguagem. Desconfio que será o caso de todas estas histórias mas ficarei muito contente se me enganar em tal desconfiança: é que a forma, por melhor que seja, não costuma chegar-me. Preciso de conteúdo, e aqui o conteúdo é relativamente escasso. O artifício literário é muito interessante, sem dúvida, e basta para tornar interessante também o conto, mas o que me passa pela cabeça ao ler é muito mais a frieza da análise sobre como Calvino consegue criar a história a partir das cartas de tarot e contá-la limitado pelo pressuposto da mudez do narrador do que qualquer espécie de interesse pela história em si. E ao contrário de um livro como As Cidades Invisíveis, que é igualmente frio mas cujas descrições fornecem asas à imaginação do leitor, transportando-o àqueles lugares, aqui isso não acontece.

Pelo menos nesta história. Veremos se as coisas são diferentes nas próximas.

Conto anterior deste livro:

segunda-feira, 11 de março de 2019

Lido: Capitão Diabo das Geraes

Saltos no tempo, maiores ou menores, são praticamente uma inevitabilidade em romances-colagem deste género, pois uma das formas mais eficazes de fazer com que cada história de que a história maior se compõe tenha princípio, meio e fim é encerrar nela um episódio concreto. Especialmente quando o romance-colagem é concebido bastante tempo depois das histórias mais pequenas estarem feitas, como parece ter sido o caso.

Passaram-se bastantes anos desde os acontecimentos de O Vampiro de Nova Holanda. Os Três Brasis que deram nome à série foram-se desenvolvendo, o Brasil propriamente dito ainda sob controlo português, a Nova Holanda ainda sob controlo holandês e a República de Palmares, sua aliada, ainda um reino negro independente. Mas Gerson Lodi-Ribeiro não esquece que a passagem do tempo traz sempre consigo alterações na situação sociopolítica. Portugal, nesta época sob o controlo do Marquês de Pombal, interfere na política interna palmarina, fomentando uma guerra civil de cariz religioso entre a elite dominante, cristã, e uma guerrilha animista instalada na zona de fronteira, a sul.

E Palmares responde com o Capitão Diabo das Geraes.

Este é, como já terão adivinhado, o Vampiro de Palmares. À cabeça de um bando de bandidos, como houve vários e famosos na verdadeira história brasileira, o Capitão Diabo ataca as colunas que transportam minérios preciosos das zonas mineiras para as cidades portuárias, de onde seriam enviados para Lisboa. Apesar do disfarce de salteadores comuns, o objetivo é político: minar a confiança da metrópole na colónia brasileira e naqueles que põe a geri-la, bem como a confiança dos cidadãos da colónia nos dirigentes nomeados pela metrópole e, por extensão, na própria metrópole.

Com este rico pano de fundo, Gerson Lodi-Ribeiro constrói uma noveleta de enredo inteligente, razoavelmente movimentada, explorando de forma discreta as capacidades e limitações do protagonista que criou enquanto elabora com grande eficácia o seu edifício de história alternativa. Não fui verificar, mas não me parece que tenha sofrido grandes alterações a fim de ser incluída neste romance-colagem, mantendo assim intactas as suas características originais. Esta é mais uma história de grande qualidade, neste livro ou fora dele.

Contos anteriores deste livro:

domingo, 10 de março de 2019

Lido: O Soldado que Foi ao Céu

Mais um conto recolhido em Ourilhe, mais um conto com um ar desconexo e apressado, o que provavelmente será consequência de Adolfo Coelho ter recolhido várias histórias junto do mesmo contador. Costumam ser histórias com potencial para elaboração, nem que seja apenas por mostrarem buracos a rogar por que os preencham com qualquer coisa. E este O Soldado que Foi ao Céu não é exceção.

Por entre os buracos e os saltos na história, consegue-se perceber que se trata de um conto fantástico sobre a morte e o destino. Em duas pinceladas, o enredo segue um soldado que é alvo de uma espécie de profecia que o leva a visitar uma capela sobrenatural, fantasmagórica, que já lá não está (ou está, mas muito arruinada, o que vai dar ao mesmo) dois dias depois, o que é bastante comum neste tipo de histórias. Mas tudo muito tosco e desconexo.

Literariamente, o conto é péssimo, mas está cheio de potencial.

Contos anteriores deste livro:

Leiturtugas da semana

Esta semana, nas leiturtugas, voltou a haver publicações. É a vantagem de só se fazer a gestão dos projetos, porque se isto estivesse dependente de mim tinha ficado parado (avaria no computador, upgrade, início de um longo processo de reinstalação e pesonalização de software, só chatices...).

O Marco Lopes prossegue a sua análise aos contos da antologia Proxy, desta feita comentando o conto de Júlia Durand Modulação Ascendente. É ficção científica, como todos os da Proxy, pelo que o Marco está com 3c0s.

Mas quem tem esta semana a opinião mais desenvolvida (mais em vídeo que em texto, como é habitual) é a Tita, que fala de três obras: a BD Aristides de Sousa Mendes, Herói do Holocausto, de José Ruy, o romance de José Luís Peixoto Uma Casa na Escuridão (e sim, Tita, conta; há fantasia — por aquilo que dizes o livro parece ser de realismo mágico — e mesmo que não houvesse o Leiturtugas tem por obras dos géneros fantásticos preferência mas não exclusividade) e a antologia de história alternativa organizada por Octávio dos Santos, A República Nunca Existiu. Um livro com FC, dois sem, e a Tita passa a 4c2s.

Entretanto a Cristina Alves, do Rascunhos, estreou-se com um livro de BD (só falta a etiqueta, Cristina), Os Segredos de Loulé, de João Miguel Lameiras, João Ramalho-Santos e André Caetano. Embora esta BD seja de FC, as BDs vão todas para a coluna dos sem, pelo que a Cristina está com 0c1s.

Por fim, podem dar também as boas-vindas à Raquel Silva, do So Happy With Less, a mais recente adesão ao projeto.

domingo, 3 de março de 2019

Lido: O Zimbro

Assassínio, canibalismo, inveja, prodígios sortidos, punição cruel perante a indiferença (ou até a alegria) de todos, O Zimbro é mais um conto tradicional carregadinho de bons sentimentos.

Ou não. Se calhar não.

Encontram-se aqui muitos elementos já conhecidos de outros contos. A mulher estéril que deseja muito ter um filho e só consegue tê-lo mediante um encantamento, por exemplo, encontramo-la nas histórias do Polegarzinho. A criança branca como a neve está, já crescida (e de outro sexo), na história da Branca de Neve. A madrasta má encontra-se numa série de histórias, algumas mais que famosas, e aqui vai além de maltratar os enteados, como é frequente, e mata o seu. Por ciúmes. Porque ele, e não a sua filha, era o primogénito do marido. E a cantiga do pássaro a revelar os crimes também aparece aqui e ali, embora neste momento não esteja a conseguir situar concretamente algum exemplo. Só resta o canibalismo, pois aqui a madrasta dá o filho a comer ao pai, sem que este o saiba, e isso é uma crueldade que talvez não seja inaudita mas é certamente incomum.

E tudo isto é natural. A reutilização de elementos, a canibalização de histórias, o troca e baralha e volta a dar das peças são comuns na evolução da literatura popular. O mais curioso é que o resultado surge por vezes muito bem construído, muito "redondo", literariamente bem feito, como se as peças tivessem sido criadas especificamente para esse resultado (o que normalmente não é verdade). E este conto é precisamente assim: um conto bastante bom, literariamente, que os Grimm, na sua nota habitual, afirmam ser inteiramente proveniente de uma só fonte, apesar de localizarem este elemento aqui, aquele ali.

Claro que, estando nós a falar dos Irmãos Grimm, não é de excluir a probabilidade de essa qualidade se dever mais a eles, mais à forma como retocaram e complementaram o material de base, do que propriamente a este. Mesmo quando, como neste caso, afirmam que o conto vem do sítio tal, sem fazerem nenhuma menção a alterações. Mas para quem lê isso pouco importa. Venha de onde vier a qualidade, ela existe. Este é um bom conto fantástico de crime e castigo.

Contos anteriores deste livro:

Lido: O Ovo Partido

Mais um conto recolhido por Adolfo Coelho em Ourilhe, este O Ovo Partido tem em comum com o conto que o antecede um certo tom desconexo, ainda que menos acentuado. Mas pouco mais tem em comum com ele. Este é dos contos em que existe um crime e uma profecia de castigo futuro, que quem comete o crime prefere ignorar ou em que não acredita. No caso, um brasileiro rico (esta personagem do brasileiro rico parece ser realmente comum em histórias do século XIX, e se calhar anteriores) é assassinado pelo criado do pai da mulher que cobiça a fim de lhe ficar com o dinheiro, mas este ouve, no lugar do crime, vozes que lhe prometem que pagará por ele. E trinta anos mais tarde, pimba, lá vem a paga.

A moral da história é clara: a paga pode tardar mas não falha, e no fim das contas feitas ninguém engana o destino. É das tais ideias de senso comum que se olharmos com olhos de ver para o que se passa à nossa volta e para a história somos obrigados a constatar que é falsa. Mas estas histórias contadas à lareira tinham em parte do objetivo de contribuir para a paz social, levando as pessoas a não levantar ondas — mesmo quando por vezes o temperavam com irreverência para com os poderosos — e isso é bastante evidente em histórias como esta. Apesar disso, e de tudo o resto, esta é das tais histórias com potencial de desenvolvimento (e de subversão), embora tal como aqui aparece seja bastante fraca.

Contos anteriores deste livro:

Leiturtugas da semana

Após um hiato, durante o qual as movimentações que houve no projeto não se refletiram em posts, estes regressaram esta semana, graças ao Marco Lopes, com o início de uma série dedicada aos contos da antologia Proxy, publicada pela Divergência. Coube o comentário da vez a Deuses Como Nós, de Vítor Frazão. O Marco passa a 2c0s.

Esta semana temos mais uma integrante no projeto (e há a probabilidade de chegarem mais em breve). Podem dar as boas-vindas à Maria do Ideias de Leitora.

sexta-feira, 1 de março de 2019

Escrita de fevereiro

imagem de Sergey Nivens
Em janeiro ameacei que era provável que a escrita avançasse mais depressa, agora que o trabalho que põe a comida na mesa entrou numa fase menos exigente, e foi realmente o que aconteceu, embora não tão depressa quanto seria de esperar, ou pelo menos desejável, que isto de resolver coisas que tinham ficado penduradas durante o tempo de maior azáfama é demorado (e chato; muito, muito chato).

Mas sempre deu para acabar duas coisas. Não, a novela que ando a escrever não foi uma dessas coisas. Mas acabei um dos seus capítulos, o mais longo até agora, e depois disso interrompi o trabalho nesse texto para escrever um conto curto. Este, que já está terminado e devidamente guardado na gaveta para marinar durante umas semanas (ou uns meses), ficou com pouco mais de 2500 palavras. E contando com a novela o total do mês ultrapassou ligeiramente as 4000. Continua a ser pouco? Continua, claro. São só umas 12 páginas, mais ou menos. Mas é mais, só em fevereiro, que ao longo de todo o ano de 2018.

(E 2018 tinha sido melhor que 2017, que por sua vez tinha sido melhor que 2016 e 2016 foi ligeiramente melhor que 2015. E em 2014 também escrevi menos que durante este mês. Tenho de regressar a 2013 para encontrar um ano mais produtivo do que o mês de fevereiro de 2019, e mesmo assim não muito mais: em 2019, com dois meses decorridos e dez no futuro, já escrevi mais que em todo o ano de 2013. A minha fase seca durou meia década. É muito por isso que estas parcas 4 mil palavras são para mim uma conquista.)

Para março as coisas afiguram-se complicadas. Obras em casa, o início de uma nova tradução, consultas e análises. É natural que os números recuem. Mas a ver vamos. Daqui a um mês cá estará outro post destes a dizer como foi.

Até lá.

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019

Lido: A Moura Encantada

Quando peguei neste conto para o ler, tive durante breves instantes a esperança de que finalmente, quase a fechar o volume, nele surgisse algum sinal de Algarve. É que A Moura Encantada é o nome que se dá com frequência a uma das mais célebres (e belas) lendas algarvias e podia ser que fosse essa história que aqui se contava. Mas depressa me desenganei. Adolfo Coelho era beirão de uma forma quase militante, contam-se pelos dedos as vezes que sequer se aproximou do Tejo e, se bem me lembro, nem por uma vez o ultrapassou, esta é mais uma das muitíssimas histórias que recolheu em Ourilhe e nada tem a ver com a lenda algarvia, além de haver nela uma moura e de esta estar encantada.

É uma história algo desconexa, como de resto acontece de vez em quando aos contos recolhidos em Ourilhe, que pertence ao grupo de histórias que se baseiam num encanto que deve ser ultrapassado por um conjunto de três provas. Ao ultrapassá-las com sucesso, o candidato a príncipe ou a rei demonstra o seu valor e fica pronto para desposar a donzela. O facto de esta aqui ser moura em nada altera este esquema; a história podia ser contada a respeito de uma princesa qualquer do Norte da Europa e seria praticamente igual. E isto é o que ela tem de mais interessante, pois literariamente é muito fraca.

Contos anteriores deste livro:

Também já anda por aí...

... a segunda parte de Sangue & Fogo, a minha mais recente tradução do George R. R. Martin.

E não tenho muito a acrescentar ao que disse quando foi publicada a primeira parte.Não há assim tantas coisas que sejam específicas deste segundo volume, à parte o facto de ele se debruçar sobre um período diferente, com outros protagonistas e outras personagens secundárias.

Por outro lado, o facto de se debruçar sobre um período diferente, com outros protagonistas e outras personagens secundárias, leva a uma clara mudança de tom neste segundo volume. Se o primeiro corresponde sobretudo a uma época de esperança, prosperidade e consolidação do poder Targaryen em Westeros, este fala de um período conturbado, em que a velha dicotomia entre a grandeza e a loucura na família Targaryen, que já conhecemos desde a relação entre Daenerys e Viserys n'A Guerra dos Tronos, causa um sem-fim de problemas, uma guerra civil devastadora, a morte de muitos dragões e por aí fora. Não, descansem, não são spoilers: já tínhamos ouvido falar deste período ao longo das Crónicas de Gelo e Fogo e o que aqui existe de novo são os pormenores e uma solidificação das personagens, que deixam de ser protagonistas de velhas lendas para se transformarem em pessoas tridimensionais à boa maneira do George R. R. Martin.

E por falar em personagens tridimensionais, há uma, em especial, que me deu um particular prazer a traduzir. Os leitores vão neste livro travar conhecimento com mais um dos fabulosos anões de Martin. Este, conhecido como Cogumelo (compreenderão porque lhe chamam assim), é usado pelo meistre que escreve a história como fonte primária dos acontecimentos durante as épocas mais conturbadas. Mas o Cogumelo é um bobo da corte e por isso a sua narrativa é com frequência pouco digna de confiança (ou será, pelo contrário, a mais exata de todas?) e, com mais frequência ainda, escabrosa e escandalosa. O Cogumelo é um malicioso e essa malícia é muitas vezes simplesmente deliciosa. Faz lembrar o Tyrion, sim, com o mesmo tipo de verve rápida, mas ao mesmo tempo é diferente, mais grosseiro (ainda) mais irreverente (ainda). Julgo que se vai tornar com facilidade um favorito do pessoal.

E agora, que venha o próximo. Não me perguntem é quando, que sei tanto como vocês. Quando o Martin o escrever, suponho.

terça-feira, 26 de fevereiro de 2019

Lido: Fantasy & Science Fiction, nº 645

Embora nos ebooks exagere, uma vez que tenho coisas gravadas desde os anos 90, que ainda não li (nessa época ainda nem eram ebooks, pelo menos a maioria: eram páginas web), a verdade é que não é só em ebook que tenho coisas para ler há muito, muito tempo. A prova? Este número da Fantasy & Science Fiction, o 645, de dezembro de 2005, que anda por aí de pilha em pilha desde 2006. Há mais de 10 anos, portanto.

Contrariamente ao que por vezes acontece, no entanto, não saí da leitura a desejar tê-la feito mais cedo. Sim, é verdade que a revista inclui alguns contos bons, e portanto a leitura valeu a pena, mas não há aqui nenhum daqueles contos extraordinários que ficam realmente na memória. O que mais se aproxima disso é An Incident at the Luncheon of the Boating Party, de Allen Steele, mas só se aproxima desse objetivo, não o atinge. E nem a lista das outras histórias que me pareceram boas — Walpurgis Afternoon, The Cure e When the Great Days Came — é particularmente numerosa, sendo ultrapassadas pelas que não vão além da mediania.

Além da ficção, que compõe a parte de leão da revista, como é padrão deste tipo de publicação, este número inclui também artigos medianamente interessantes sobre livros (lançados na época, portanto já um pouco embafiados... mas aqui a culpa é exclusivamente minha) e filmes, mas tudo bastante mediano, nada que sobressaia. Saí da leitura com uma sensação de "OK, não foi mau", que é como quem diz "bem, podia ter sido melhor", que é bem capaz de ter sido amplificada pelo facto de todos os contos de que mais gostei estarem concentrados na primeira metade do volume.

Mas OK, não foi mau.

Eis o que achei dos contos individualmente considerados:
Esta revista foi comprada.