sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Lido: O Verme Supremo: Francisco Solano López

O Verme Supremo: Francisco Solano López é mais um dos contos de Rhys Hughes sobre grandes crápulas da história. Aqui, conta a história de Francisco Solano López, admirador de Napoleão e ditador do Paraguai (país singularmente rico em ditadores e pobre em quase tudo o resto) em meados do século XIX, e responsável por levar o país a travar — e a perder — a guerra da Tripla Aliança, contra a Argentina, o Brasil e o Uruguai, que foi desencadeada pela invasão do Uruguai pelo Brasil. López acabou a vida louco, tendo-se proclamado santo, tentando levar o clero paraguaio a canonizá-lo. Os bispos que recusaram foram mandados executar. Claro. Isto na vida real; no conto de Hughes, tudo isto é exagerado — embora a parte sobre a canonização não conste — e revestido de ironia, de muita ironia, de copiosas quantidades de ironia. E é toda essa ironia que o transforma no mais divertido dos contos do livro, até agora.

PS&P (i.e., post scriptum et publicatum): A guerra da Tripla Aliança tem relevância para a FC&F lusófona por ser o ambiente de uma das séries de história alternativa de Gerson Lodi-Ribeiro.

Sem comentários:

Enviar um comentário