segunda-feira, 1 de dezembro de 2003

Spamesia (208)

Na sexta-feira o número de spams voltou a subir muitíssimo: só os que atravessaram os filtros foram 81. E, como é hábito nestas situações, apareceu um daqueles títulos que titilam qualquer coisa cá por dentro: «A "loja do vidro"». Só lhe tirei as aspas:

A loja do vidro

A loja do vidro vendia cigarros
que tiniam quando o lume alumiava
a sua ponta e a punha em brasa

A loja do vidro vendia carpetes
translúcidas feitas de fios pontiagudos
e quebradiços que voltavam a crescer

A loja do vidro vendia vassouras
que varriam com um som de violinos
que dominavam o pó como pastores

A loja do vidro vendia mulheres
de vidro. Comprei uma, enchi-a dos meus
sonhos transparentes e perdi-me nela
para sempre

Sem comentários:

Enviar um comentário