domingo, 19 de setembro de 2004

Impostos

Há dias recebi uma mensagem por email, sem informação sobre a sua autoria, que não resisto a reproduzir aqui:

Em cada 100 EUR que o patrão paga pela minha força de trabalho, o Estado, e muito bem, tira-me 20 EUR para o IRS e 11 EUR para a Segurança Social.
O meu patrão, por cada 100 EUR que paga pela minha força de trabalho, é obrigado a dar ao Estado, e muito bem, mais 23,75 EUR para a Segurança Social.
E por cada 100 EUR de riqueza que eu produzo, o Estado, e muito bem, retira ao meu patrão outros 33 EUR.
Cada vez que eu, no supermercado, gasto os 100 EUR que o meu patrão pagou, o Estado, e muito bem, fica com 19 EUR para si.

Em resumo:
- Quando ganho 100 EUR, o Estado fica quase com 55;
- Quando gasto 100 EUR, o Estado, no mínimo, cobra 19;
- Quando lucro 100 EUR, o Estado enriquece 33;
- Quando compro um carro, uma casa, herdo um quadro, registo os meus negócios ou peço uma certidão, o Estado, e muito bem, fica com quase metade das verbas envolvidas no caso.

Eu pago e acho muito bem, portanto exijo:
- Um sistema de ensino que garanta cultura, civismo e futuro emprego para o meu filho;
- Serviços de saúde exemplares. Um hospital bem equipado a menos de 20 km da minha casa;
- Estradas largas, sem buracos e bem sinalizadas em todo o País;
- Auto-estradas sem portagens;
- Pontes que não caiam;
- Tribunais Com capacidade para decidir processos em menos de um ano;
- Uma máquina fiscal que cobre equitativamente os impostos.

Eu pago, e por isso quero ter:
- Quando lá chegar, a reforma garantida;
- Jardins públicos e espaços verdes bem tratados e seguros;
- Polícia eficiente e equipada;
- Os monumentos do meu País bem conservados e abertos ao público, uma orquestra sinfónica;
- Filmes criados em Portugal;
- E, no mínimo, que não haja um único caso de fome e miséria nesta terra.

Na pior das hipóteses, cada 300 EUR em circulação em Portugal garantem ao Estado 100 EUR de receita.
Portanto Sr. Primeiro-ministro, governe-se com o dinheirinho que lhe dou porque eu quero e tenho direito a tudo isto.

Um português contribuinte.

Sem comentários:

Enviar um comentário