sexta-feira, 3 de setembro de 2004

Versos avulso

Beslan

A última coisa que ouviu
foram tiros
muitos tiros

Tinha só sete anos
e até aí sempre pensara que depois dos tiros todos se levantavam
sacudiam
sorriam, aos gritos, excitados pela brincadeira
e se preparavam para o próximo tiroteio

Sempre pensara que todas as mortes eram provisórias
menos as das pessoas velhas
que só os cabelos brancos faziam com que a morte fosse para sempre
que só as rugas prenunciavam a despedida

Nunca pensara que os tiros fizessem tanto barulho
tanto, tanto barulho
que a mãe, a gritar, fosse só um boneco sem som
como os da televisão quando se tirava o som
e mexesse a boca como se falasse mas sem emitir um som
só tiros, tiros, tiros

E nunca sequer imaginara que os tiros
pudessem doer mais que arrancar um dente de leite

Teve uma morte cheia de descobertas
mas o que de verdade interessa
é que a última coisa que sentiu
foram tiros
muitos tiros

Sem comentários:

Enviar um comentário