quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Lido: O Lagarto do Âmbar

O Lagarto do Âmbar (bib.), de Maria Estela Guedes, é uma longa noveleta, salpicada de brasileirismos, sobre um aspirador que aspira a ser homem. Porquê? Porque se apaixona, simples como isso.

A história tem toques de ficção científica. O aspirador começa por ser apresentado como uma inteligência artificial, movida a software, e o ambiente à primeira vista é tecnológico. Mas não passam de toques. A metamorfose, que realmente acontece, é pura fantasia com o seu quê de kafkiano e, quando se remove a capa tecnológica que o reveste, o ambiente é mais surrealista que outra coisa. É verdade que nada disso seria óbice a estar-se perante uma boa história. Mas o texto é um longo monólogo interior e umbiguista, cheio de sentimentos inverosímeis, dúvidas, apelos, ânsias, e tudo, e mais ainda que, se seria fácil de aguentar num conto curto, numa noveleta quase a tornar-se novela (são 120 páginas mas os 79 capítulos são quase todos tão curtos que a densidade de texto acaba por ser muito baixa) torna-se insuportável. Pelo menos para este leitor que aqui escreve. Achei este livro muito, muito chato. Ainda se houvesse um pouco mais de história, se acontecesse alguma coisa. Mas não. Tirando a metamorfose, a imobilidade de tudo é total e absoluta. Se alguém quisesse passar esta história a algo de visual, bastariam duas fotografias: uma para antes da metamorfose, outra para depois. Para contar o enredo basta uma frase. O resto é divagação. Muito, muito chata.

Vale como experimentalismo, suponho. Quem goste de coisas invulgares talvez encontre neste livro algum interesse. E quando aqui falo de invulgaridade refiro-me apenas à forma como o texto está construído, porque no que toca às ideias é tudo do mais banal possível. Talvez. Não sei. Enfim, é experimentarem. Pessoalmente, não gostei mesmo nada.

Este livro foi comprado.

Sem comentários:

Enviar um comentário