quarta-feira, 14 de junho de 2017

A Decisão de Diop (excerto)

A Decisão de Diop é uma novela (muito provavelmente) integrada na minha série de história alternativa do Tempo das Passarolas, passando-se um par de décadas depois de Só a Morte te Resgata. Até agora tem escritas cerca de 11 mil palavras, e calculo que vá mais ou menos a meio, talvez um pouco mais.

O que se segue é o início.

A Decisão de Diop

O Estreito Caminho – Parte 1

Pela janela panorâmica da grande passarola vê-se o mar. Uma vasta extensão dele, plácida e vazia, sem um pontinho que seja a macular-lhe a uniformidade. No céu, a uma altura pouco superior à da passarola, vogam nuvens baixas, algumas acasteladas, a maioria cúmulos pequenos cuja brancura só não contrasta mais fortemente com o azul do céu porque este está atenuado por uma fina camada de cirro-estratos que se estende de horizonte a horizonte, lá bem no alto.
Em volta de Santos Diop a Almirante Ganço e a sua tripulação produzem os ruídos típicos de uma máquina em perfeito estado de funcionamento. Na cabina, bem isolada do mundo exterior, não se ouve o vento mas escuta-se o rugido abafado dos motores, os estalidos de atuadores e alavancas, o tilintar das campainhas dos comunicadores, o ronronar das impressoras, as vozes baixas dos tripulantes. Estes debruçam-se sobre mostradores, falam a microfones, observam o mar com óculos de longa distância, em pé ou empoleirados em bancos pouco confortáveis. Diop passa os olhos pelos seus homens. Pensa que é uma boa tripulação, bem treinada e experiente. Todos conhecem bem as respetivas funções e todos as desempenham com calma e eficiência. Pensa que apesar da diversidade de tons de pele e de cabelo, a expressão de todas aquelas caras é só uma, a expressão neutra de homens que têm mais em que pensar do que no que fazer com os músculos que enrugam testas, retesam bocas, contraem bochechas.
De todas aquelas caras? Serão mesmo todas?
Diop lança uma olhadela rápida ao subcomissário mas afasta logo o olhar. Nada o distingue dos demais, e no entanto tudo o distingue. O uniforme é o mesmo, sem sequer uma insígnia a marcar-lhe a diferença, mas a expressão é outra, a forma como os olhos se demoram nas coisas não tem paralelo, o porte é único. Pode estar, como está agora, debruçado sobre uma consola, aparentemente tão concentrado nela como qualquer outro dos tripulantes, mas há sempre nele qualquer coisa que como que irradia intimidação e vigilância.
Uma perturbação no mar, à frente e a estibordo, chama-lhe a atenção. Leva o óculo ao olho, foca-o, mas sabe de antemão o que vai ver. Golfinhos, um pequeno grupo deles, talvez seis ou sete, todos adultos, nadam a grande velocidade quebrando a superfície para respirar e voltando logo a mergulhar. Diop vê dois ou três saltos mas a maioria dos animais limita-se a mostrar o dorso, do espiráculo à barbatana. Desinteressa-se. Sempre gostara daqueles animais, mas está demasiado tenso para desfrutar das suas cabriolas.
Aproxima-se um ponto de leitura.
Já não deve faltar muito para chegarem à Corrente do Atlântico Norte propriamente dita, mas só os dados obtidos dos pontos de leitura lho poderão dizer com certeza. Já no último, quase vinte milhas atrás, se registou um aumento na temperatura da água, mas foi tão ligeiro que facilmente poderia ser um falso positivo. O próximo dará mais certezas… ou talvez não. A corrente é coisa fugidia. Serpenteia para norte e para sul, fragmenta-se em redemoinhos que se isolam da corrente principal e vão rodopiando oceano fora até se dissiparem, numa espécie de jogo do gato e do rato pleno de travessura em que parece procurar frustrar quem tenta encontrá-la. Em circunstâncias normais pouco importaria; passarolas não querem saber de correntes, a não ser as atmosféricas e, no que a essa diz respeito, a Almirante Ganço tem vindo há longas milhas a lutar contra o já esperado vento oeste. Mesmo para um navio, mais sujeito aos efeitos dessas variações, a importância seria pouca, pois bastar-lhe-ia encontrar-se mais ou menos na zona da corrente para se ver empurrado para leste, com maior ou menor força.
Mas a Almirante Ganço está numa missão.

Sem comentários:

Enviar um comentário