sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Lido: Consciência de Ébano

Consciência de Ébano (bib.) é uma longa noveleta de Gerson Lodi-Ribeiro, na qual o autor regressa ao seu universo de história alternativa dos Três Brasis, no qual um velho vampiro, Dentes Compridos, se alia a Palmares para garantir a independência da nação negra em terras sul-americanas, e a transformar numa potência. O protagonista é um mulato palmarino, descendente de algumas figuras ilustres da sua pátria que, não obstante, encara o vampiro como a encarnação do mal, e pensa que a sua existência conspurca a própria ideia do seu país.

Trata-se de um regresso de Gerson a um dos temas recorrentes nas suas histórias alternativas: a questão patriótica, e a forma como as lealdades e os idealismos se combinam para levar as pessoas à ação. É, portanto, uma história com bastante interesse, interesse esse que cresce com o uso de expressões num português arcaizante, adequado à época em que a ação decorre (mesmo que esta opção possa tornar mais complicada a leitura para alguns leitores), mas que no entanto é prejudicada pela solução que o autor encontrou para um dilema que cai sobre todos os escritores que escrevem histórias inseridas em séries: deverei partir do princípio de que os leitores já conhecem as histórias anteriores, ou não?

É uma pergunta de resposta complexa. Na verdade, não há uma resposta definitiva; ela depende do modo como as histórias vêm a público, do tempo passado desde a publicação de histórias anteriores da série, e de vários outros fatores. Aqui, Gerson decide partir do princípio de que os leitores não conhecem as outras histórias, e por isso gasta bastante latim a explicar o que está subjacente a esta. Creio que isso acaba por prejudicar a fluidez da noveleta e para um leitor como eu que, se não conhece toda a série, conhece pelo menos a maior parte, torna alguns trechos aborrecidos. Se algum dia o Gerson decidir publicar todas as histórias dos Três Brasis num volume único (o que eu acho ótima ideia, já agora), julgo que seria conveniente fazer uma purga a esta história, retirando dela a informação redundante. Creio que o resultado seria uma noveleta ainda melhor.

Sem comentários:

Enviar um comentário