segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Lido: O Fim

O Fim é um conto bastante curto de Jorge Luís Borges sobre um duelo, quase em ambiente de faroeste, apesar de se passar na Argentina e aqui não haver Colts mas facas. Um homem espera num bar por outro homem. Espera sete anos, enquanto dedilha uma guitarra, pela oportunidade de, finalmente, vingar o assassínio do irmão. E essa oportunidade enfim chega na pessoa do assassino, que sabe perfeitamente ao que vai. É um conto que, não fora um certo caráter esquemático de situação e anbiente, não fora o fim em que uma metamorfose acontece, apesar de ser uma metamorfose muito mais metafórica do que real, nada teria de fantástico. Nem horror psicológico nele existe; ambos os protagonistas encaram a probabilidade da morte com calmo fatalismo, como que a dizer "vamos lá então fazer o que tem de ser feito". Mas o conto não é menos bom por causa disso. É um belo conto; um conto que, com economia de meios, faz pensar na mácula que roubar uma vida humana causa em quem o faz.

Contos anteriores deste livro:

Sem comentários:

Enviar um comentário