sábado, 10 de dezembro de 2011

Transignorâncias (1): Se não sei o que não sei, que sei eu?

Tinha pensado começar esta série de textos com temas sugeridos pela resposta abortada ao comentário do Henry de que falei na semana passada. Mas durante a semana li uma frase num dos livros que tenho atualmente em leitura que me fez começar por algo mais genérico. Ei-la: “A ignorância é o terreno do pensamento.”

Esta frase é uma versão de tradutor de algo escrito por Ursula K. LeGuin, muito provavelmente a melhor escritora de ficção científica de sempre e claramente membro do grupo de elite de grandes escritores que o género deu à literatura durante o século XX, mesmo quando retiramos o sexo da equação.

E o motivo que me levou a começar estes textos por aí é achá-la inteiramente certeira ao mesmo tempo que a vejo também como incompleta. E porque me sugeriu o palavrão com que intitularei genericamente estes posts. E, bem, porque me apeteceu.

Sim, a ignorância é o terreno do pensamento. É na ignorância que o pensamento se processa, só a ignorância, aliás, o permite. Um ser que de facto fosse omnisciente, um ser que realmente soubesse tudo o que há para saber, nunca pensaria, limitar-se-ia a saber. Não procuraria respostas porque já as conheceria a todas, não faria perguntas porque também estas conheceria por inteiro. Seria dotado de um acervo estático de conhecimento. Infinito, sim, mas estático. A sua atividade mental resumir-se-ia a encontrar nessa biblioteca infinita as parcelas de conhecimento que lá estariam guardadas e, como também o local de armazenamento de cada informação faz parte de toda a informação que há para conhecer, uma criatura omnisciente nem precisaria de procurar. De novo, limitar-se-ia a saber. E assim, de uma forma muito concreta, criatura que fosse omnisciente pura e simplesmente não pensaria.

Lembrem-se disto da próxima vez que vos disserem que deus é omnisciente.

A não-ignorância, portanto, sufoca o pensamento. Mas a ignorância não basta. É preciso também ter-se dela consciência. Julgar que se sabe as respostas é um inibidor quase tão eficiente de perguntas como sabê-las de facto. Ou seja, se é certo que a ignorância é o terreno do pensamento, este só se processa quando essa ignorância é consciente.

Seria bom se se soubesse sempre por onde passa a fronteira entre o que se conhece e o que não se conhece. Seria bom poder traçá-la, plantar solidamente os pés mentais do lado do conhecido e atirar o pensamento ao desconhecido, mergulhando-o naquilo que se ignora. Mas geralmente não é assim. No máximo, sabe-se que essa fronteira está algures por ali, difusa e pouco nítida. No máximo, há a consciência de que é perfeitamente possível que terreno que se julga sólido esteja minado, cheio de bichezas. De preconceitos, ideias falsas, verdades parciais ou parcelares, carunchos vários. Quando há essa consciência pode-se ir pensando de uma forma interativa, regressando atrás de vez em quando para verificar se as conclusões a que o pensamento leva confirmam ou põem em causa o que se julgava saber. É essa a única maneira de se pensar bem.

Quando essa consciência de terreno minado não existe, quando se julga saber o que na realidade não se sabe, só por grande e afortunado acaso será possível evitar pensar mal. É possível pensar, sim, pois para o fazer basta a ignorância, mas do resultado pouco ou nada se aproveitará. Com base em coisa nenhuma, pode construir-se grandes e detalhados castelos de vento, cheios de torres e muralhas, ameias e adarves, mas só por sorte haverá na sua essência algo mais que nada.

O que quero dizer com isto é que a ignorância será o terreno do pensamento, sim senhora, dona Úrsula, mas a consciência é o seu motor e o combustível que o faz funcionar. A consciência e uma espécie muito peculiar de humildade. A mesma humildade de que os homens de ciência se socorrem quando aceitam submeter as suas elaboradas teorias ao tira-teimas da experiência.

1 comentário:

  1. Olá Jorge. :-)

    Curioso como um texto pode nos levar a fazer conexões que nada ou pouco tem em comum com a essência do mesmo. Ou como pode nos fazer pensar isso...

    "Esta frase é uma versão de tradutor..."
    Foi aqui que fiz a primeira "conexão" que não parece ser importante em relação ao texto.

    Algum tempo atrás li um livro com quatro contos: Noite dentro, MOÇAMBIQUE. E outras narrativas, de Laurent Gaudé. Fiquei fascinado pelo mesmo.
    Mas depois pus-me a pensar: Raios! Não faço a mínima ideia se o autor é um bom escritor (mentira, até faço alguma ideia, rs). Mas a verdade é que o que li, em parte, é obra da tradutora: Isabel St. Aubyn. Depois disso, comecei a olhar com outros olhos para todas as obras traduzidas que eu li...

    Continuando, a segunda conexão tem mais relação com o texto, ou melhor, com a descrição de uma personagem curiosa: deus, e sua onipresença.

    Isso porque ele é personagem de uma história em que tenho trabalhado. Apenas ideias, por enquanto. Aliás, pus-me imediatamente a escrever algumas que me surgiram, antes de continuar a ler o texto.

    De resto, e, neste contexto, o mais importante (ou nem por isso), é o que penso do assunto. Certa vez um professor afirmou, categoricamente, que a grosso modo, as pessoas não dialogam. Elas monologam. Mesmo quando parece que estão escutando o outro, na realidade estão apenas procurando informações passíveis de serem utilizadas no contra-ataque iminente: a réplica.

    Talvez venha daí a falta de consciência que mostramos, diariamente, de que realidade escura e fria de que nossas certezas, se calhar, não deveriam tem razão de ser...

    Ou pelo menos que, olha lá, se calhar, a coisa não é bem assim...

    Falei demais.
    A propósito, já li Sally e confesso que nem me passou pela cabeça, esta mesma que se vangloria de normalmente conseguir prever com bastante antecedência como as coisas vão acabar, que a personagem,a tal, afinal de contas... Aliás, tão pouco percebi logo o que é que se passava... O que manteve, muito, o meu interesse no texto.

    Enfim...
    Abraços!!!

    ResponderEliminar