domingo, 14 de março de 2010

Lido: O Rei Mais Louco: Henri Christophe

O Rei Mais Louco: Henri Christophe é a última das histórias de Rhys Hughes em que ele ficcionaliza (e por vezes surrealiza) a vida de pessoas reais. Desta feita o tratamento cai sobre Henri Christophe, personagem tão colorida como todas as outras que aparecem neste grupo de histórias. No mundo real, Christophe chegou à ilha de Hispaniola como escravo, participou ativamente nas revoltas que acabaram por resultar na revolução haitiana e na independência do país, do qual se tornou um dos líderes principais durante o breve período em que este foi governado por Dessalines. Após o assassínio daquele que foi o primeiro governante do Haiti independente, Henri Christophe criou um estado no norte do Haiti, do qual se proclamou primeiro presidente e mais tarde rei, embarcando numa política megalómana de construção de palácios e castelos, enquanto mantinha com o sul (uma república dirigida por um antigo companheiro da revolução chamado Alexandre Pétion) um estado de guerra quase constante. Como sempre, a história de Hughes segue a história real nos seus traços gerais, mas inventa pormenores falsos e surrealiza-a. Um exemplo disso é a explicação dada para a loucura de Christophe ter sido tolerada pelo seu povo durante década e meia: Christophe teria um buraco no crânio causado por um ferimento sofrido durante a guerra de independência dos EUA, através do qual a sua loucura saía e ia infetar todos os que estivessem ao seu alcance. São pormenores deste género que fazem com que este seja um dos contos que li com mais agrado nesta parte do livro.

Sem comentários:

Enviar um comentário