quarta-feira, 26 de maio de 2010

Lido: O Hotel "A Queda do Alpinista"

O Hotel "A Queda do Alpinista" (bib.), dos irmãos Strugatski, é um romance francamente estranho. Começa por parecer uma espécie de comédia de costumes, sobre um improvável grupo de pessoas que se aloja num hotel de montanha para passar umas férias. Um inspetor de polícia, um famoso ilusionista, acompanhado por uma "criança" de sexo indeterminado, um homem misterioso com fama de gangster, um velho ranzinza com atitudes de rico e ares de superioridade, acompanhado por uma mulher jovem, um físico genial com atitudes infantis e uma gargalhada arrepiante que nunca se coíbe de soltar, etc. Às tantas, começam a acontecer coisas estranhas, talvez roubos, talvez simples travessuras, e o inspetor, que é o protagonista da história, vê-se na obrigação de começar a investigar. Mas o livro só assume realmente o tom de uma história policial de ambiente fechado, bastante típica, quando uma avalanche corta os acessos ao hotel e acontece um homicídio. O desfecho, contudo, mostra que, além de comédia de costumes e de mistério policial, o romance também é ficção científica, o que, aliás, seria de esperar atendendo a quem o escreveu.

Estou certo de que há muito quem se irrite ou se sinta repelido por tal misturada. Não foi o meu caso. Embora o início do livro não me tenha chamado muito a atenção (até por causa de uma tradução nem sempre bem sucedida), foi-me interessando cada vez mais à medida que ia avançando, e quando cheguei ao fim, e toda a esquisitice anterior se viu explicada a contento, descobri que tinha gostado. É um livro divertido, no qual os autores parece terem feito um esforço consciente, com muito de metaliterário, para brincar com os géneros, para os baralhar e voltar a dar. E isso, que se feito por autores mais pretenciosos resultaria provavelmente num maçudo compêndio de técnica literária, feito pelos Strugatski resulta numa leitura leve, rápida e irónica. Da qual gostei bastante.

Sem comentários:

Enviar um comentário