segunda-feira, 28 de abril de 2014

Lido: Nunca se Deve Deixar uma Criança

Nunca se Deve Deixar uma Criança, que não é título mas primeiro verso, é um poema de Adília Lopes, carregadinho de ironia, sobre as coisas que acontecem e o caráter superprotetor de muitas mães. Porque as coisas que acontecem acontecem, haja prudência ou não haja. É essa a moral da história. Mais ou menos.

Não sendo bem o tipo de texto que mais me interessa, ou na verdade estando bem longe de o ser, achei-o curioso e divertido, mais pela irreverência do que propriamente pela literatura. Desta não gostei, confesso. Este poema insere-se numa moda que por aí anda, ou andou, de escrever textos banalíssimos subdividindo-os em versos e subtraindo-lhes a pontuação.

É como se
isto fosse um
poema
e devêssemos por isso
gostar muito achar
muito lírico e
mais não sei quê só que
eu acho assim 'ma beca
parvo

Mas pronto. São modas. E o texto tem a sua graça, sim.

Textos anteriores deste livro:

Sem comentários:

Enviar um comentário