terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Lido: O Nome Gordo de Isidorangela

O Nome Gordo de Isidorangela, outro pequeno conto de Mia Couto, regressa uma vez mais ao tema da mulher, mas aqui de uma forma diferente. Ambientado nos tempos do Moçambique colonial, o protagonista e narrador é um rapaz burguês, filho de um mulato, que narra a descoberta de um segredo. Este tem forma, corpo e nome. Uma forma redonda, um corpo obesíssimo e o nome de Isidorangela. Mais: também tem parentescos. Filha do presidente da câmara, por quem o pai do narrador nutre uma admiração ostensiva, a rapariga é no entando posta de lado por todos devido à gordura. Até que acontece um convite e uma visita.

É mais um bom conto, e desta vez mais a meu gosto por não "abusar" da poesia, mantendo-a no entanto presente, numa história que não parece até à reviravolta final mas está carregadinha de ironia e que trata com uma subtileza de passos de pena a questão racial em tempos de colonialismo. Gostei bastante.

Contos anteriores deste livro:

Sem comentários:

Enviar um comentário