domingo, 18 de abril de 2021

Leiturtugas #98

Prontos para mais uma semana de Leiturtugas? Então vamos lá.

Entre os participantes oficiais, a semana começou com a Tita, que publicou a sua opinião, como quase sempre em texto e em vídeo, sobre Almas Gémeas: Liberdade ou Ilusão, de Rui Pinto Ferreira. Apesar de um título que remete mais para a autoajuda, este livro, publicado há pouco mais de um ano pela Chiado, é um romance distópico. Com FC, portanto, e a consequência é a Tita passar a 4c1s.

Depois, apareceu por aí um tal Jorge Candeias, que veio opinar sobre Casos de Direito Galático e Outros Textos Esquecidos, um livro que junta quatro livros de Mário-Henrique Leiria e que foi publicado pela E-Primatur em 2016. Um dos livros de que o livro se compõe é praticamente um livro de FC (sim, sim, sim, livro, livro, livro, sim), pelo que passa a sinalefa a dizer 3c1s.

De seguida, a Tita voltou à carga com mais uma opinião, de novo em texto e vídeo, desta feita sobre uma coletânea. Intitula-se A Revolução dos Homens Sentados e foi edição da autora, Rute Simões Ribeiro, datada de há quase exatamente um ano. Pelo texto não cheguei a perceber se o livro contém algum fantástico mas não parece conter nenhuma FC, que é o que mais importa, pelo que a Tita passa a 4c2s.

E como a semana foi muito movimentada, não nos ficámos por aqui. Também tivemos uma opinião da Carla Ribeiro sobre uma pequena coletânea (2 contos; 44 páginas) de Jaime Soares intitulada A Cor Azul. Publicada pela Novembro no mês passado, parece tratar-se de um livro basicamente mainstream mas com elementos de realismo mágico. Sem FC, portanto, pelo que a Carla passa a 1c4s.

E encerramos as leituras dos participantes oficiais com o Artur Coelho e a sua opinião sobre um romance do Rui Zink que tem elementos de FC. Intitulado O Livro Sagrado da Factologia, foi publicado em 2017 pela Teodolito e leva o Artur a 4c3s.

Quanto aos oficiosos, a semana iniciou-se com uma opinião da Raquel, breve como sempre, sobre A Defensora do Oculto, romance de fantasia de Andreia Ramos, outra edição da Chiado, esta de 2019.

E terminou como a semana passada já tinha terminado: com uma opinião da Silvana. O alvo da opinião foi desta feita um romance de Liliana Lavado intitulado Encontro em Itália, que aparentemente é uma fantasia urbana e foi publicado pela Marcador em 2014.

(Apareceu ainda uma menção do LV Paulo a uma antologia portuguesa, mas como não traz nenhum elemento opinativo, por mais mínimo que seja, não vou incluí-la.)

E finalmente chegamos ao sorteio do livro do António Bizarro. Por fim num vídeo decente, que me deu mais trabalho do que devia ter dado (na verdade podia tê-lo pronto na semana passada; descobri que não estava a fazer nada de errado e a dificuldade foi só devida a um bug no programa que usei para sincronizar o vídeo e o áudio, o qual não gosta do formato de vídeo que eu estava a usar... bastou-me convertê-lo para outro formato e voilà, tudo OK). Aqui está ele:


Como veem, depois de ameaçar ir parar às mãos do Artur Coelho, duas vezes às da Cristina Alves e uma às da Carla Ribeiro, o livro acabou por calhar ao Marco Lopes. Agora é contactá-lo, para ver se o quer. Se ele não quiser, como digo no vídeo, segue a lista final até encontrar alguém que o queira. Parabéns ao Marco e o próximo sorteio é em junho. Até lá.

Até lá quanto a sorteios, entenda-se. Quanto a Leiturtugas, até à próxima semana. Provavelmente.

Sem comentários:

Publicar um comentário