quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Lido: Novas Cosmicómicas

Novas Cosmicómicas (bib.) é uma coletânea de Italo Calvino que nos traz um conjunto de histórias protagonizadas pelo protagonista de todas as Cosmicómicas: Qfwfq, um extraterrestre ao qual talvez seja mais adequado chamar extrauniversal, pois nos acompanha desde o início do tempo e do espaço e tem o seu mutável dedo metido em tudo, desde o nascimento das galáxias à divisão celular e mais além. Ficção científica? Tem toques disso, sim, mas o fulcro principal é outro, bem mais surrealista, ou até aquilo a que aqui há uns anos esteve na moda chamar-se, na anglosfera e seus apêndices, "weird fiction". Seja como for, são todas histórias com base científica. Todas elas, aliás, começam com um ou vários parágrafos que descrevem, em tom de divulgação científica, alguma da qual ultrapassada pelo conhecimento adquirido nos últimos 40 anos, o fenómeno sobre o qual o conto que se segue irá versar. E quem diz "versar" pode perfeitamente dizer, talvez com mais propriedade, "apresentar a peculiar perspetiva que Qfwfq tem sobre esses fenómenos".

A estas histórias Calvino acrescenta um conjunto de quatro "contos de dedução" que, como o nome indica, se debruçam sobre situações específicas e as escalpelizam, em abstração crescente, até chegarem àquilo que Calvino julgará ser o seu âmago. Em média, gostei mais destes últimos do que dos contos cosmicómicos, os quais incluem algumas pedras preciosas mas também outros contos que não me agradaram lá muito. Li o resto das Cosmicómicas há já muitos anos, portanto a memória não está fresca, mas julgo ter gostado mais dessas do que destas. Julgo. Apesar disso, gostei bastante deste livro e recomendo-o sem reservas a todos os que não sejam alérgicos a textos surreais. Os que o forem, por outro lado, melhor será que passem de largo.

Eis o que achei de cada uma das histórias:


Para terminar, eis uma coisa que vou passar a fazer sempre e muito gostaria de ver os outros blogues que falam de livros fazer também: informar onde arranjo os livros de que falo. É que embora quase todos sejam comprados, alguns não o são e é sempre bom ser-se transparente com estas coisas. Aqui vai:

Este livro foi comprado.

Sem comentários:

Enviar um comentário