segunda-feira, 5 de maio de 2014

Lido: O Império das Lãs

O Império das Lãs, que volta a ser mesmo um título daqueles como deve ser, é mais um poema de Adília Lopes com o mesmo estilo, as mesmas ironias e até as mesmas personagens dos anteriores. Desta vez a coisa é surreal, com misturas entre o comezinho suburbano e os deuses do panteão grego e minotauros e touradas e Nárnia e Bennetton e o diabo virado a sete. Literariamente, gostei mais que dos outros. Gostei em especial do encadear inesperado de imagens e arquétipos culturais. Humoristicamente é que nem por isso. Talvez haja quem veja graça naquilo que de ungulado percorre todo o poema, mas eu não vejo lá muita.

Textos anteriores deste livro:

Sem comentários:

Enviar um comentário