domingo, 14 de fevereiro de 2021

Leiturtugas #89

Ora cá temos então a semana em que saem os resultados do primeiro sorteio de 2021. Mas antes o mais importante: as Leiturtugas da semana.

Entre os participantes oficiais no projeto, o primeiro a fazer uma aparição esta semana foi o Marco Lopes, opinando sobre mais um romance de Allariya, de Filipe Faria. Chegou a vez de Marés Negras, o terceiro volume da série, publicado originalmente em 2003 pela Presença. Nada de FC, claro, e o Marco passa a 0c3s.

Seguiu-se-lhe a Cristina Alves, com mais uma opinião sobre um ebook de ficção científica. Intitulado Despojos da Noite — Ração do Dia, trata-se de um conto de Maria Reis publicado pela Universidade do Porto na mesma coleção que também publicou Barreiros e Luís Filipe Silva. E assim a Cristina segue a grande velocidade com 2c4s. A continuar assim, cumpre os mínimos antes do verão.

Entre os oficiosos, a semana começou e acabou com uma opinião de alguém que assina apenas como "Leitor Reconfortado". O objeto da opinião é um romance de Nuno Gomes Garcia intitulado Zalatune; uma distopia de futuro próximo. FC, portanto.

E agora vamos ao sorteio do livro do Borbinha. Temos vídeo, como sempre, e aqui está ele:


O vídeo é uma porcaria, sim. Como lá digo, já arranjei um software catita para gravar diretamente o écran mas falta-me um microfone para gravar o áudio em simultâneo. Depois de fazer o vídeo lembrei-me de que posso gravar o áudio no telemóvel, com o único inconveniente de ter de editar o vídeo para pôr o áudio no lugar, mas não quis estar a repetir o sorteio para fazer isso (nem gastar agora tempo a aprender a fazê-lo). Ficará para a próxima. Agora o que interessa é o resultado.

E o resultado é: depois de ameaçar duas vezes ir parar às mãos da Carla Ribeiro, uma às da Cristina Alves (que não o quereria, imagino, porque foi ela que o forneceu) e uma às minhas, o livro acabou por vir mesmo parar às minhas. Mas! eu também não o quero: já cá tenho um exemplar em casa. Portanto o passo seguinte será contactar a Tita para ver se o quer e, se não quiser, seguir a lista final até que alguém aceite o livro. Para a semana digo-vos quem acabou por ficar com ele.

O próximo livro a ser sorteado será um livro do António Bizarro, em abril, com base na situação de leituras e comentários em final de março. Temos dois meses para ver o que aparece por aí.

Para terminar, mais algumas Leiturtugas atrasadas (i.e., de 2020) de não participantes no projeto:

Em junho, o Carlos Faria comentou sobre A Torre da Barbela, romance fantástico de Ruben A.

Em agosto, a Andreia Ferreira falou de Adeus, de Susana Almeida, romance onde parece haver um toque de sobrenatural.

Em outubro, o Pedro Miguel Silva escreveu sobre O Ano Sabático, romance de João Tordo que parece muito próximo do realismo mágico e/ou dialogar com O Homem Duplicado de Saramago.

Por seu turno, e também em outubro, o LV Paulo escreveu um brevíssimo comentário sobre a antologia Contos Fantásticos, publicada pelo Fantasporto há algumas décadas.

Continuando em outubro, o António Bizarro comentou o conto A Arca, de Joel G. Gomes, que parece situar-se algures entre o horror, o fantástico e a ficção bizarra, por aí.

E ainda em outubro, a Katrina comentou o conto Correntes, autoeditado por Patrícia Morais e que já tinha aparecido por aí.

Já em novembro, a Almerinda comentou um romance de realismo mágico de Lídia Jorge, o conhecido O Dia dos Prodígios.

Também em novembro, a Charneca em Flor falou de outro romance fantástico, com o seu quê de distopia, desta feita de José Saramago, o Ensaio Sobre a Lucidez.

E por esta semana basta, que o post já vai longo. Para a semana há mais, quer novos, quer antigos. Até lá.

Sem comentários:

Publicar um comentário