quinta-feira, 26 de dezembro de 2019

João Ventura: O Teclado Paranóico (#leiturtugas)

Parece que já foi no tempo em que os animais falavam. Mas houve uma altura em que se começava por aí a fazer ebooks, quase sempre sem se ter ideia alguma do que se estava realmente a fazer (culpado!), e quase invariavelmente em PDF (culpado!). Não através de programas especificamente criados para produzir PDFs, que sempre foram caros até começarem a aparecer os gratuitos, mas usando o word e conversores (culpado!).

Pois este continho de João Ventura é desse tempo, tendo sido publicado por um site/fórum há muito desaparecido, o Brigadas FC, em 2005. O Teclado Paranóico é basicamente uma vinheta de duas páginas, apesar do PDF ter três e de parecer só conter verdadeiramente uma. Confusos? Bem, é que uma das páginas do PDF é este arremedo de capa que aqui veem ao lado, a terceira contém apenas uma nota de copyright e a página de texto está formatada "à word", sem levar grandemente em consideração a facilidade da leitura, que a malta daqueles tempos produzia PDFs, basicamente, para imprimir, não para ler em écran. Devidamente paginado, o texto ocuparia provavelmente duas páginas incompletas.

Mas a prosa do João compensa largamente a fraca edição. Este é um conto "à João Ventura", com aquele humor e aquele brincar com as palavras que lhe são característicos. Trata-se, basicamente de uma reclamação de um cliente dirigida à firma que lhe vendeu um computador, porque o teclado tem vida e ideias próprias e parece ter decidido adulterar tudo o que escreve. Detalhe: a reclamação também é escrita por esse teclado. Isso ou então o teclado está ótimo e é o reclamante que é maluco. O resultado é uma historiazinha francamente divertida, fantástica de um modo bastante todoroviano porque fica a pairar a dúvida sobre o que é verdade e o que é imaginação, e totalmente eficaz naquilo que se propõe fazer.

Este é dos tais contos que descarreguei na altura em que saiu e têm ficado no meu computador à espera de serem lidos. Creio que já não se consegue apanhar em lado nenhum. O que é pena.

2 comentários: