sexta-feira, 8 de novembro de 2019

Franz Kafka: Chacais e Árabes

Um europeu no deserto entre árabes tenta dormir mas não consegue. É assim que começa este conto curto de Franz Kafka, cujo título de Chacais e Árabes é bastante ilustrativo do conteúdo do conto. Não estamos aqui perante um texto que grite "kafkiano" a cada página, mas não deixa de ser um conto fantástico, com o seu quê de fábula e uma atmosfera que remete um pouco para os ambientes das Mil e Uma Noites.

E também tem outra coisa, bastante menos agradável: uma clara corrente subjacente de antiarabismo, dando voz ao velhíssimo preconceito cristão, ou talvez judaico-cristão (é difícil ter a certeza; Kafka era judeu mas, como qualquer judeu europeu, a base cultural em que estava mergulhado era cristã, e isso tem uma influência que pode ser decisiva), sobre os árabes serem inerentemente desonestos.

É que os chacais vêm ter com o europeu, tentando convencê-lo a chacinar todos os árabes, que apresentam como seus eternos inimigos. O europeu resiste, pouco disposto ao genocídio, mas os chacais insistem, de uma forma crescentemente ameaçadora. No entanto, no fim de contas as coisas não são bem assim e o conto termina em surpresa.

Esta é uma história muito bem contada e bastante bem escrita, mas deixa um certo sabor desagradável na boca ao terminar a leitura.

Conto anterior deste livro:

2 comentários:

  1. Olha que os judeus também não gostam muito dos árabes. Mesmo sem meter os cristãos ao barulho. Olha lá para os lados da Palestina...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu falo disso, precisamente. Da dificuldade que é distrinçar o que é preconceito cristão do que é judaico-cristão.

      Quanto a Israel, não é comprovação de nada, uma vez que foi esmagadoramente povoado por judeus europeus, que podem ter adquirido o preconceito dos cristãos e depois o aprofundaram ao longo da longuíssima guerra que começou assim que começou a limpeza étnica e continua ainda hoje a decorrer na Palestina.

      Eliminar